Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

As culpas também morrem solteiras

Sempre que um acontecimento marcante acontece nas nossas vidas temos tendência a perguntar - porquê? - Porquê eu? Porquê agora? Porquê... porquê? No entanto de que vale uma pessoa consumir-se a tentar compreender aquilo que talvez - só talvez - o tempo venha um dia a mostrar?

 

Não é fácil pensarmos em coisas boas quando à nossa volta os castelos desmoronam e deixam à vista um rasto de destruição. Não é bonito ver que o castelo que julgávamos forte estava afinal com problemas estruturais, muitos deles causados por nós, outros ali mesmo à vista e ninguém dava conta. Até ao dia D.

 

E também não é fácil deixar de lado o sentimento de culpa que nos invade porque a nosso ver isto e aquilo poderiam ser evitados se... ou bastava ter feito assim ou assado para que as coisas fossem diferentes... e por aí fora...

 

Uma coisa que tenho aprendido com todas as dificuldades que atravessei é que de nada vale querer saber o porquê, não vale a pena deitar culpas ao mundo, a Deus ou a mim própria e morrer afogada nelas. Talvez deva deixar que as culpas morram solteiras, pelo menos por agora.

 

Em tudo na vida é preciso reagir. Melhorar. Reformular. Unir. Estar lá. E o mais importante: Amar.

 

Algures em 2014 chamei a este blogue Adotar, amar, viver. Nunca esta combinação de palavras fez tanto sentido como hoje. A nossa família nasceu para adotar, a nossa família tem a sua base no amor e nunca, mas nunca deixará de viver pelos valores que definimos.

 

Através das partilhas (quase) diárias neste pequeno espaço, aqui no bairro, tive a alegria de conhecer - ainda que virtualmente - pessoas com as quais a empatia é imediata, que me acarinham com palavras de amizade. Mas, o mais surpreendente é sentir e receber - das pessoas que jamais imaginava - as maiores palavras de apoio. Não há por isso palavras de gratidão que possam mostrar o quanto me sinto menos só nas minhas mágoas e nas minhas tristezas.

 

 

E sim, uma das melhores coisas que fiz na minha vida foi começar este blogue num quente dia de verão.

 

Obrigada.

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D