Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Avançar

Ter filhos diferentes é uma luta constante. Uns dias as coisas até correm bem, noutros é uma complicação.

 

No início ainda achamos que os podemos mudar e que com um esforço de parte a parte eles se tornam naquilo que gostávamos que eles fossem.

 

Com o passar do tempo apercebemo-nos que afinal, eles são mesmo assim, resta-nos aceitar e dar o nosso melhor para que vão adquirindo algumas capacidades básicas para gerir a sua vida no futuro.

 

No entanto existem acontecimentos que fazem regredir o crescimento destas crianças/jovens, e isto eu não li em nenhuma revista técnica nem foi nenhum psicólogo que me disse, é o que vivo no dia-a-dia.

 

Com a vinda da Maria, a Margarida regrediu, e voltou a ser criança, eu sei que até nem é uma coisa muito má, mas isso significa que as conversas delas passam por brincadeiras imaginárias, faz-de-conta e tarefas de brincar em vez de serem tarefas a sério.

 

Para tentar combater esta regressão implementei o dia da cozinha por conta delas, ao sábado, e sempre que possível tento que ela tome atitudes de "gente crescida". Nestas férias, a coisa piorou bastante, com a  convivência diária, as brincadeiras continuaram e o crescimento não.

 

Por isso resolvemos que a Margarida precisava de conviver mais com pessoas da sua idade e menos com meninos de sete anos. Existe por aqui nos meses de julho e agosto as chamadas "férias desportivas", onde os jovens podem praticar desporto supervisionados por professoras de segunda a quinta, e à sexta feira vão às piscinas municipais. 

 

A Margarida não queria ir. O primeiro dia foi amuada, apesar de lhe ter explicado que lhe ia fazer bem conviver com outros jovens e não estar sempre isolada.

 

Quando chegou vinha muito contente, afinal estavam lá colegas da escola e muitos outros jovens!

 

Não é fácil para nós pais tomarmos decisões que vão contra aquilo que os nossos filhos querem ou gostariam, mas cabe-nos a nós perceber e conhecer a fundo a sua maneira de ser e ajudá-los a dar pequenos passos na sua independência!

 

CartazFeriasPascoa13.jpg

 

 

 

2 comentários

Comentar post