Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

E agora?

No fim de semana passado comecei a ler a Amoris Laetitia - A alegria do amor - e na nossa catequese familiar dedicámo-nos a ler e interiorizar este pedaço de uma carta muito especial... o tema é o "Amor", palavra pequenina, mas que contém uma imensidão de ações... grande parte das pessoas queixa-se frequentemente que é "contra muitas coisas na igreja", é normal, se formos a ver bem a igreja é feita por pessoas, errantes como eu... no entanto era importante que nos dessem uma pequena oportunidade... de vez em quando...

 

Posto isto, lemos várias vezes e cada uma de nós escreveu-o numa folha para levar para o quarto, um ficou na sala.

 

IMG_20160417_150823.jpg

 (1Cor 13: 4-7)

 

Que bonito que é!

 

 

"O amor é paciente,

O amor é prestável,

Não é invejoso,

Não é arrogante nem é orgulhoso,

Nada faz de inconveniente,

Não procura o seu próprio interesse,

Não se irrita,

Nem guarda ressentimento

Não se alegra com uma injustiça

Mas rejubila com a verdade.

TTudo desculpa

Tudo crê

Tudo espera

Tudo suporta."

 

 

Parece-me a chave da perfeição e o caminho para a felicidade. Se todas as pessoas cá de casa (e não apenas uma) viverem de acordo com ele tudo se torna mais fácil.

 

Ora vamos à prática:

Em primeiro lugar: O amor é paciente, ou seja aceitar pacientemente as limitações, contrariedades... acho que viver assim, umas horas, uns dias, não é assim tão difícil... umas semanas, uns meses, não sei... talvez...uns anos ?!? Como, meu Deus, como?...

 

Na verdade, ao fim de uns dias começamos a falhar... pior, sabemos que estamos a falhar... conseguimos identificar logo no momento em que falhamos... e nem saí da primeira linha, da primeira! 

 

Ora a pergunta que se impõe é: E agora?

 

Vale a pena continuar a tentar mesmo que já sabemos que nunca conseguiremos viver verdadeiramente assim?

 

Provavelmente vale, nem que seja pelo esforço constante em ser melhor a cada dia que passa.

 

Esta "reflexão" embora frquinha de conteúdo ajudou-me a entender que, não importa quantas vezes falho, posso sempre recomeçar.

 

Por isso, hoje, não só irei ser mais paciente, como perdoar uma grande mágoa, que guardo no coração.

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D