Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

História VII

História I   História II   História III  História IV   História V  História VI

 

 

...

«E no meio de tanta brincadeira lá estava aquela menina a jogar à bola com a minha mãe, com muita insegurança pois a sua destreza para com os jogos não era das melhores. é mesmo comum estas crianças terem dificuldades motoras, de aprendizagem, inter-relacionais, mas o que mais se notou foi sem duvida a ânsia em serem mimadas e acarinhadas, a procura constante de atenção, a competição pela melhor história ou episódio, a procura de colo...

 

Ficamos para sempre marcados quando convivemos com estas crianças que, sem terem culpa foram retiradas de casa e passaram a viver numa outra casa com outras meninas, com outras histórias de vida, outras experiências...

 

Muitas vezes é difícil encarar este outro lado da vida na sociedade, este lado onde os sonhos são destruídos e onde se voltam a semear pequenos baguinhos de esperança no coração maltratado destas crianças.

 

É lá na instituição, que se rege por valores próprios de uma casa católica fundada por uma grande senhora, Luíza Andaluz, que recebem o conforto, as regras e a experiência de viver em família, com horas para levantar, estudar, descansar, brincar e ajudar nas tarefas de uma casa, pois sem isso não será possível crescerem e viverem em comunidade.

 

Para muitas é um choque, nunca antes ninguém lhes delegou tarefas, nunca tiveram quem lhes ensinasse as coisas mais básicas da vida em família, a convivência, o gosto pelos estudos...

 

Tudo isto cai como uma bomba nestes corações magoados...parece uma prisão de segurança máxima.

 

É o tempo, o carinho e a dedicação de todos quanto ali colaboram que lhes vai mostrando que numa casa é mesmo assim, todos participam nas tarefas, cada qual segundo as suas capacidades e de acordo com aquilo que lhe é proposto. É aqui, nesta casa de "passagem" que aprendem que devem ter orgulho na concretização das suas tarefas por mais pequeninas que sejam!

 

Mas hoje não é dia de ficar triste porque afinal aqui à volta só se ouve uma gritaria alegre de miúdas a divertirem-se e estamos de férias!»

 

A Mãe

 

3 comentários

Comentar post