Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!



Domingo, 27.07.14

História XV

...

 

«Entretanto vamos à entrevista na Segurança Social...

 

Escusado será dizer que esta não é de todo das melhores recordações a guardar na nossa memória, quem passou por ela (elas) sabe bem aquilo que eu quero dizer, para quem nunca lá foi e ainda há-de ir fica um conselho amigo: Nós vamos lá porque queremos muito um filho, não vamos lá para ser enxovalhados, sabemos o que queremos e não temos medo deles!

 

Depois deste pequeno desabafo posso então andar mais uma etapa na nossa história, penso que a convocatória tenha sido feita por telefone, mas não me recordo ao certo. Avisámos no trabalho e naquele dia lá fomos. Ao ver a técnica que se apresentou logo com todas as credenciais (adoro quando as pessoas dizem eu sou a Dra. Ana p.ex. até me arrepio toda...) «e aqui está a Dra.. Tânia, a psicóloga que estará presente durante a entrevista»... 

 

Escusado será dizer que aquilo foi uma entrevista muito comprida.... onde basicamente respondemos às questões que já tínhamos preenchido no questionário (não fossemos nós ter inventado alguma coisa...) Depois vem a questão da barriga proeminente, e de que provavelmente nós não aguentaríamos duas crianças de uma vez, porque muitos casos corre mal etc etc coiso e tal.

Reconheço agora que as senhoras estavam a fazer o trabalho delas e o problema nem foi o que nos disseram ou os avisos que deixaram, mas a maneira de falar e o tom autoritário como que o fizeram.

 

O pior veio mesmo no final, já depois de uma pessoa estar de rastos por ver a sua infância, adolescência e vida adulta ser esmiuçada, então não é que levantaram a questão de não ser possível a adopção por eu estar grávida... saímos de lá em estado de choque, nunca pensei que me poderia sentir assim, valeu-me sempre a convicção nas minhas ideias, valeu-nos o mútuo apoio um ao outro enquanto casal.

 

Passado o choque que durou pelo menos 3 dias (em que chorei, desabafei, me revoltei e me acalmei), resolvi imprimir todas as leis sobre a adopção em Portugal e durante um dia inteiro li aquilo de uma ponta à outra, confirmei que nada havia escrito sobre o facto de uma pessoa grávida não poder adoptar.

 

Liguei para a SS e pedi uma reunião, quando as técnicas bem entendessem:

- Mas qual é o assunto?

- Nada que se possa falar pelo telefone.

- Bem vamos agendar, será preciso a presença da psicóloga?

- Façam como entenderem, preciso só de saber a data.

- então fica para dia x. Mas tem a certeza de que está tudo bem? (parece que a assustei!!!!!)

- Há-de ficar tudo bem depois de aí irmos, o meu marido também irá.

Despedimo-nos cordialmente.

 

Quando chegámos (confesso que estava cheia de nervos, mas aparentemente calma) apresentei a Lei 147/99 de 01 de Setembro e a Lei 31/2003 de 22 de Agosto devidamente impressas (com o patrocínio do meu local de trabalho, foi por uma boa causa) e perguntei:

 

- Então digam-me lá onde é que diz na Lei que por estar grávida não posso adoptar?

 

(espanto, silêncio, e uma tentativa fraca de resposta)

 

- Pois, mas nós não dissemos isso assim, foi só para ver se tinham mesmo a certeza de que queriam dar esse passo tão importante e que não tem volta a dar...

 

Bem, mais uma vez deixámos bem claro que era o que queríamos, que não havia volta a dar, que o tribunal estava a fazer de tudo para nos dar essa hipótese e não era a SS que a ia retirar.

 

Mais uma etapa, sofrida... chorada e vencida!»

 

A Mãe

 

"Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna".

João 6, 68

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 06:00


4 comentários

De Bruxa Mimi a 27.07.2014 às 10:43

Essa vitória deve ter sabido mesmo bem! Desconfio que melhor só mesmo quando assinaram os papéis definitivos.

Estava a pensar que esta história, contada ao pormenor, nas diversas etapas, corresponde completamente à narração de uma gravidez (como se vê nos blogues de bloggers grávidas). Um filho adotado é fruto de uma gravidez do coração (como se vê em algumas frases bonitas, não sei se também aqui no vosso blogue) e estas etapas, que tão bem descreves, são como os exames médicos da gravidez. O que me parece é que, em Portugal, pelo menos, a gravidez do coração demora muito mais do que a gravidez do útero! O que é pena, para quem quer adotar e para quem quer ser adotado!

De Olívia a 28.07.2014 às 11:54

Esta vitória ainda que pequena deixou-me mais calma e confiante, mas confesso que ainda estávamos tão no início... nem deu para saborear, todos os dias pensava que a qualquer hora a Gui poderia deixar de vir a nossa casa, desaparecer para longe...

De ana santos a 28.07.2014 às 10:32

Eu não tenho más recordações das nossas entrevistas, considero a equipa que nos seguiu fantástica, tornámo-nos amigos ao longo de todo o processo. Mas agora que leio sobre a vossa primeira entrevista... lembrei-me que no nosso caso a " entrevista de choque" foi e segunda... penso eu, com a assistente social. Eu não fiquei tão mal como a Olívia, mas a mim também ninguém disse que não podia adotar... mas durante uns dias disse muitas vezes ao meu marido...ai eles (os futuros filhos, que afinal foram elas ) vão dizer isto... eles vão fazer aquilo... vão pensar... e o meu marido respondia-me: e tu já não sabias? Tu já me tinhas dito isso.. Sim porque cá em casa quem leu tudo, ou aliás muito, fui eu . Mas agora que já passaram uns anos acho que essa entrevista foi mesmo necessária, porque como disse a bruxa Mimi` há algum tempo, não é fácil no início, e nem todos aguentam, e é muito bom estarmos bem preparados, para depois não acontecerem casos em que as crianças são devolvidas, porque os pais não conseguiram resistir e amar desde o primeiro momento ... porque se amarmos os nossos filhos traumatizados, magoados, feridos, abandonados, desde o primeiro momento, também os amamos quando fazem birras, quando nos tentam insultar, magoar, rejeitar... O AMOR é fundamental na vida...

De Olívia a 28.07.2014 às 11:53

a Ana toca num ponto fundamental que é a fase em que estas crianças chegam completamente arrasadas pela vida que tiveram e depois tentam descarregar em nós as mágoas e frustrações... essa fase é mesmo das piores e só o amor consegue ultrapassá-la... mais à frente também escreverei sobre isso...

Obrigada pela partilha, é muito importante "ouvir" outros testemunhos, porque só quem lá esteve sabe o que se sente!!!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa de temas

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Frases nossas

«Mais do que um processo judicial ou burocrático adoptar é amar uma criança e torná-la nossa filha»

Fale connosco através de

olivia.adocao@sapo.pt