Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Nas redes sociais

 

(Sub título - Eu, croma das redes, me assumo)

 

A minha experiência com as redes sociais é uma tragédia em três tempos... apareceu o Facebook e eu aderi logo às novidades, criei uma conta, comecei em busca de "amigos", um e outro... mais este e aquele que já não encontrava há séculos, e ainda mais alguns nas trocas de livros, outros nas páginas solidárias, enfim... quando dei conta tinha (não me recordo bem) cerca de 300 e tal "amigos".

 

Sempre usei o meu nome e o meu sobrenome, coloquei as informações sobre o meu trabalho, onde vivia, aquelas coisas todas para aquilo ficar bonitinho.

 

Escrevia e partilhava aquilo que considerava relevante e "geria" uma página de DIY (Faz tu mesmo), a página da empresa do meu marido e a da minha loja... e com isto ocupava grande parte do meu tempo.

 

De vez em quando comentava textos polémicos e aquilo era uma selva, pouco ou nenhum respeito pelos outros, linguagens ofensivas e por aí fora...

 

Um dia recebo uma mensagem que me deixou aflita, era da parte da família biológica da Margarida e continha uma ameaça muito séria à minha filha e à minha família. Fiquei mesmo muito zangada, como me tinham descoberto? E o que iriam fazer? Aparecer para me darem conta do juízo ou a pressão psicológica chegava para me amedrontar?

 

Enfim, fui à polícia, e resolvi acabar com aquela conta do facebook, tenho agora outra, praticamente sem atividade que me serve para gerir a página da empresa do meu marido e para acompanhar o crescimento dos filhos de amigas que emigraram, tenho cerca de "10 amigos" e chegam bem, nem sequer considero aumentar este número. Passo por lá algumas vezes, mas por pouco tempo!

 

Há umas semanas descobri que tinha uma conta no "Instagram", acho que criei aquilo quando recebi de presente um tablet. Ora bem, eu não sabia sequer o que era esta "aplicação", mas agora já sei e resolvi experimentar. Tiramos uma foto, colocamos uma legenda e guardamos. Depois podemos adicionar instituições ou pessoas para seguir.

 

O engraçado daquilo é que as pessoas usam nomes estranhos para as fotos, acho que é a isso que se chama "hastag", mas ao contrário aqui dos blogues em que usamos palavras soltas do tipo "vida familiar", lá seria #vidafamiliar, ou em inglês que é mais fashion #familylife... depois encontram-se lá verdadeiros comboios de palavras que para serem lidas demoram cerca de meia vida, exemplo #aquiloqueeulevoparaalmoçartodososdias...

 

Ainda não percebi o alcance daquilo que se publica, sei que só quem eu autorizo pode ver as fotos que lá coloco, eu vou recebendo umas imagens e frases bonitas e inspiradoras de algumas pessoas que conheço, ou de plataformas católicas. 

 

Como podem ver ainda não sei bem se continuo ou não com aquilo, a ver vamos... para me encontrarem por lá acho (não sei bem) que têm de escrever olivia.b.2015.

 

E é assim que me sinto por vezes um passo atrás nas novas tecnologias... consegui ter um blogue diário, acostumei-me às mudanças no (meu) início que a plataforma do sapo nos ofereceu, e basicamente é isto...

 

Quanto ao Instacoiso, passo por lá durante uns minutos ao fim do dia e publico ao fim de semana uma ou outra imagem, que eu para tirar fotos com o telemóvel, mais uma vez me assumo: uma croma!!!!

 

instagram2.png

 

 

 Há por aí mais malta que nos segue e que tamém Instacoisas???

 

 

 

10 comentários

Comentar post