Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!



Quarta-feira, 08.02.17

Perseverança

 

Dicionário:

 

per·se·ve·ran·ça
(latim perseverantia, -ae)

substantivo feminino

1. Qualidade ou acção de quem persevera.

2. Constância, firmeza, pertinácia.

3. Duração aturada de alguma coisa.


"perseverança", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/perseveran%C3%A7a [consultado em 08-02-2017].
 
 
Bíblia:
 
Sir. 2, 14
 
«Ai de vós que perdestes a perseverança:
que fareis, quando o Senhor vos pedir contas?»
 
 
----**----**----
 
 
Ser família de Caná é perseverar numa caminhada cheia de desafios, com muitas incertezas, obstáculos, surpresas, mas é acima de tudo caminhar para Deus sabendo que não estamos sós. Aqui perto ou lá mais longe, existem famílias que caminham com tantas ou mais dificuldades que nós, que seguem, abrandam, recomeçam e voltam a caminhar, mas não desistem.
 
 
Hoje em dia cada família tem uma agenda apertadíssima, demoramos tempos e tempos para marcar um encontro para beber café com aquela pessoa - um encontro de vinte minutos - se tivermos de sair de casa então... nem se fala. Eu detesto aquela velha máxima de "antigamente é que era bom", porque é mentira. As pessoas tinham mais tempo e os miúdos andavam até tarde na rua em bandos, é verdade. Faziam piqueniques e passeios a pé, também é verdade. Mas tinham muitas outras coisas terríveis... lavavam roupa à mão, não havia aquecimentos e a comida demorava muito tempo até estar feita...
 
Hoje habituámo-nos a outros confortos, trabalhamos para manter a nossa vida de forma mais ou menos estável, mas andamos sempre ocupados.
 
Quando há cerca de três anos (meu Deus!) iniciámos a caminhada nas famílias de Caná, não tínhamos "metas", nem "expetativas", simplesmente sentimo-nos impelidos a aceitar o desafio. Daí a algum tempo, eu queria mais, queria famílias com quem conviver, conversar, trocar ideias, mas queria-as aqui ao pé de mim... e eu não moro nas ilhas Berlengas!!! Moro no coração da lezíria ribatejana! 
 
 
- Onde estão as famílias? Porque não lêem o site? Porque não nos contactam? Será que têm vergonha? Medo? 
 
 
Deve ter sido o facto de eu ser tão chata que Deus me mandou uma outra família, completamente diferente da minha para connosco formar uma pequena aldeia!
 
 
- Mas moramos tão longe... é tão difícil encontramo-nos! Será que vale a pena continuar? Será preciso pedir-Lhe com mais insistência que aumente o nosso tempo em conjunto?
 
 
Se Deus tem filhos muito chatos, eu devo estar no top 5. Nunca estou contente, não é? Eu queria ver as famílias juntas, cantar cânticos, fazer jogos e atividades... eu queria mais, muito mais! Ah se a Sónia morasse aqui... ou a Elsa... mas a nossa realidade é outra!
 
 
 Neste momento, embora a aldeia não se reuna com frequência continuamos a comunicar e unidos na fé. Será que é suficiente? Não sei. Mas sei Quem sabe... vou insistir e pedir um sinal... nem que seja pequenino... até lá, vamos vivendo na simplicidade dos primeiros tempos, de coração aberto e vigilante!
 

DSCF6951.JPG

 

 
 
 
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assuntos Importantes:

por Olívia às 15:41


1 comentário

De Isabel Silva a 08.02.2017 às 23:18

Olivia,
nós estamos aqui. um cadito longe (relativo) mas estamos cá!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa de temas

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728


Frases nossas

«Mais do que um processo judicial ou burocrático adoptar é amar uma criança e torná-la nossa filha»

Fale connosco através de

olivia.adocao@sapo.pt