Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Superar os medos

Dizem muitas pessoas que quando temos algum "medo" é melhor enfrentá-lo logo de uma vez e assim ele vai desaparecer.

 

Será?

 

Quando estamos de fora as nossas opiniões são sempre muito convictas e fundamentadas, mas quando somos nós a passar pelas situações talvez aí a coisa mude de figura.

 

Este ano na escola primária, a ida às piscinas começou no 1º período. No ano passado foi uma tragédia, a Maria pura e simplesmente tem pavor das piscinas, ou melhor de imaginar a água a tapar mais do que as pernas. Bem me recordo de que no ano passado ela só entrou na primeira e na última aula, a primeira porque não sabia como era, na última porque o professor de natação disse que iriam brincar. Em todas as outras aulas ela assim que se chegava ao pé da água tremia, gelava e ficava branca como a cal e chorava em pânico.

 

Aula após aula, nunca a professora da escola desistiu de a incentivar a vestir o fato de banho e a tentar superar o medo, mas o resultado foi sempre o mesmo. Eu optei por nunca estar presente em nenhuma das aulas, bem sabia que assim que me visse ela desatava logo a chorar e era bem pior.

 

Quando chegou o recado no caderno no início do mês, o meu primeiro pensamento foi «outra vez...não...», ela já sabia o que dizia o recado, pois a professora explicou-lhes na sala. Combinámos que este ano iria pelo menos entrar na água, mesmo que não conseguisse fazer os exercícios.

 

No dia da aula de natação, dia 13 de outubro, na oração da manhã, pedimos a Maria, nossa Mãe que nos ajudasse a enfrentar os nossos medos... 

 

DSC01360.JPG

 

 

Tive pena, mas não pude falar com ela a não ser pelo telefone às 16.10h, quando saiu das aulas pois estive em Lisboa. Ao telefone ela parecia animada, tinha entrado na água, e até tinha feito alguns exercícios. No fim chorou porque não conseguiu mergulhar.

 

Esta semana, já não chorou e de mão dada com o professor até conseguiu saltar para a parte mais funda (que lhe dá pelo peito)... à noite demos graças por isso, demos graças acima de tudo porque ela se esforçou e tentou. Para mim isso é o mais importante, o esforço e a dedicação com que ambas abraçam quer os estudos, quer as tarefas do dia a dia.

 

Em breve também eu vou enfrentar uma das coisas de que, neste momento, tenho mais medo. Sim, o dia do parto. Sei que não vai ser fácil, sei que tal como a Maria provavelmente terei tendência para entrar em pânico, mas enfrentarei este medo com coragem e com muito amor!

 

 

 

 

 

 

4 comentários

Comentar post