Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Tarefas domésticas

AVISO: »»---- Post não recomendado a feministas pessoas sensíveis----««

 

Cada família tem uma rotina própria no que a tarefas domésticas diz respeito. Se há ou não divisão ou se há tabela rotativa de tarefas, esse género de coisas. Aumentando a família, aumenta o trabalho, aumenta a quantidade de roupa, de loiça, de compras no supermercado, as paredes aparecem misteriosamente riscadas, cortinados cortados ou rasgados e muito, muito lixo para gerir!

 

Sair de casa dos pais, além de se poder ter o próprio espaço, implica gerir uma casa, que por sua vez inclui - além de escolher toalhas a combinar com os pratos e copos para várias ocasiões - a limpeza e a manutenção do espaço... e toda a gente que já saiu de casa dos pais sabe... dá muito trabalho!

 

Na nossa casa sou eu quem cuido da limpeza, da roupa e da comida. Juntamente com a minha descendência -as mais velhas - esforçamo-nos por manter o nível básico de limpeza e arrumação da casa, por fazer a comida e por ter roupa lavada e passada nos roupeiros. Nunca tivemos empregada doméstica e não está nos nossos planos vir a ter. Em alturas criticas a minha mãe deu-nos sempre uma grande ajuda, neste momento prefiro que ela fique com a Lúcia e dedico-me mais à casa.

 

Nestes mais de catorze anos de "gestora da casa" já falhei muitas vezes e em muitas coisas. Alturas houve em que a casa estava sempre muito bem cuidada, depois aquela época terrível em que deixei de querer saber e ainda a época em que quase-quase consegui ter a casa minimamente em ordem... depois chegou a Lúcia e novamente as coisas começaram a "andar", quanto mais deixamos "para depois", menos fazemos, porque o depois demora muito a chegar. Quero com isto dizer que existiram fases na minha vida em que não tive nem tempo, nem coragem para cuidar da casa como deveria.

 

Sendo que é suposto sentirmo-nos bem em casa, sabendo que não ser a fada do lar esperada não é um defeito, mas uma realidade resolvi recomeçar. Não do zero, porque é impossível retirar tudo de casa e começar de novo, mas do ponto onde estamos.

 

  1. Eu quero que a minha casa seja um local simples, limpo, arrumado e organizado
  2. não tenho tempo para me dedicar a "limpezas de verão" e
  3. temos muita tralha em casa

 

Desta vez, mudei de atitude, se antes considerava que era um sacrifício cuidar da casa, ter mil e uma outra coisas para gerir ao mesmo tempo; passei a considerar o tempo que dedico à casa um tempo de doação, de amor e um tempo meu. Posso ter uma casa à minha imagem, posso colocar tudo o que sou nestas pequenas tarefas aborrecidas, posso oferecer à minha família uma casa cuidada.

 

Isto já vai longo, mas como o blogue é uma espécie de diário, vou continuar...

 

Com a decisão tomada só precisava de força e coragem. Porque a casa estava uma verdadeira confusão (pena ter tão poucas fotografias do "antes" e nenhuma dos sacos de lixo que já retirei... Assim pensei em recorrer à minha "dose de vitaminas" para ganhar mais energia, comecei pouco a pouco, uma hora por dia, as tardes de sábado, as manhãs de domingo... e vejo o quanto já consegui fazer, mais do que "organizar" vejo que esta força e coragem finalmente chegaram, sem sequer ter ido à farmácia! Quantas graças dou em cada dia por esta mudança! Quantas ainda tenho de dar!

 

Não tenho uma data para concluir esta tarefa, mas sei que o farei nos próximos meses.

 

Então e o teu marido, perguntam vocês? Ah... o meu marido tem sido uma grande ajuda, remodelou o nosso quarto o que me obrigou a retirar tudo de lá, colocou chão no roupeiro o que me obrigou a tirar tudo de lá, pintou toda a parte de cima da casa (escritório - sala - espaço de biblioteca) o que... sim, me obrigou a tirar muita, muita coisa de lá!!!

 

É o meu marido que mantém as coisas em funcionamento, é ele que repara, que concerta, que aparafusa e fura, que tem grandes ideias para mudar a casa e ajuda na sua concretização... é ele que incentiva a ideia de destralhar, tendo já feito grandes progressos nas suas "zonas de trabalho", sim, o meu marido não aspira, nem faz comida, não lava loiça, nem passa a ferro, mas tem grandes responsabilidades na manutenção da casa e do quintal... dos carros e das ferramentas das obras... e dos mimos às suas quatros mulheres da casa!

 

Ele é o pilar, eu sou a trave e é assim que a nossa casa, o nosso lar, a nossa família se vai mantendo erguida!

 

 

 

 

 

 

 

sexta feira

Chove a potes lá fora, diz que vai ser assim todo o fim de semana. A primeira coisa que me salta ao pensamento é que os cestos da roupa suja estão cheios... e vai ser uma tremenda chatice enxuga-la... depois a casa vai andar cheia de pegadas e o alpendre todo cheio de salpicos de lama... viver no campo tem destas coisas. Não vou poder abrir as janelas para arejar, nem colocar as colchas ao sol para apanharem ar, vou começar a colocar em sacos aquelas roupas que não vestimos porque não nos servem... deitar fora, dar, guardar...

 

 

Mas, terei a lareira acesa aconchegando toda a casa, podemos ligar o forno de lenha para fazer qualquer assado no domingo, quem sabe até podemos fazer bolachas caseiras para levar nos lanches da próxima semana, vamos testar um novo bolo, com farinha integral e açúcar mascavado a ver como o pessoal reage. 

 

 

Pretendo avançar um bom bocado na reorganização do móvel da entrada, do hall e da "biblioteca", nada como um dia de chuva para atirar com coisas para o lixo. Ainda tenho de ver onde vou entregar algumas coisas que ainda estão em condições. Combater esta permanente necessidade de estar rodeada de coisas é uma tarefa contínua, tenho feito um grande esforço para não me deixar ir na vontade de guardar tudo... deitar fora, dar, guardar...

 

 

Apesar de não ser propriamente um propósito quaresmal, esta dura tarefa de tornar mínimos os nossos pertences encaixa na perfeição em pessoas como eu. Talvez seja um bom hábito a manter. Duas vezes por ano, dar volta a tudo e retirar de casa o que não se precisa.

 

 

Tenho muitos livros de culinária, daquelas coleções que se faziam com as revistas, estão em casa desde sempre e nunca fiz uma única receita de lá. Vou dá-los. Livros da escola das miúdas... vou dá-los, ou mandá-los para o ecoponto que estão muito estragados... deitar fora, dar, guardar...

 

 

E os brinquedos? Tantos. Uns na sala, outros no quarto, mais ainda na cozinha... deitar fora, dar, guardar...

 

 

E papeis... oh os papeis...

 

deitar fora, dar, guardar...

 

 

 

"Se"?

o amor é 1 cor (1).jpg

 

Todos os quadros na nossa casa - à exeção de um que nos foi oferecido e dois que têm os brasões dos nossos sobrenomes - foram pintados por mim, numa outra era. Antes de casarmos, vendo as imensas paredes brancas que ganhavam forma, resolvemos emoldurar cerca de 30 pinturas minhas e decorar assim a nossa casa.

 

Os anos foram passando, os quadros foram mudando de lugar e eis que chegamos ao ano de 2017 e eu descubro que aquela Olívia que assinava subtilmente os quadros já não existe, sim, é verdade. Digo-o sem pena e sem a grande carga que se chama "se". 

 

Eu explico, durante muito tempo pensei que "se tiver tempo compro novas aguarelas", "se voltasse a pintar faria novos quadros", "se isto", "se aquilo", usando também a variante "quando".

 

 Ah, mas eu não vou voltar a pintar! A minha vida hoje é outra!

 

Eu não preciso de voltar ao que fui em 1997 para ser feliz e me sentir realizada. Esta Olívia de hoje, não é uma miúda que estuda artes no secundário, é mulher, esposa e mãe. Gosta de artes na mesma, mas não vale a pena andar com ilusões em busca de qualquer coisa que já não existe.

 

E sabem que mais? É libertador perceber que embora não volte a pintar consigo dedicar-me a outras formas de arte! Descobri a alegria no "Bible journaling" e na edição de imagens (ainda num nível basico).

 

Irei reorganizar a nossa casa, irei torná-la o espelho da nossa nova realidade. Nós temos uma família relativamente maior, há brinquedos na casa, existem locais de descanso e de oração, de confusão e de trabalho artístico... existimos nós, não a Olívia e o Álvaro, mas também a Margarida, a Maria e a Lúcia.

 

De que me vale "congelar a casa no tempo" se esta não serve as nossas necessidades?

 

É preciso começar de novo? Começamos!

É preciso deixar para trás as coisas antigas? Deixamos!

 

É por isso que estou decidida a avançar. A não ter pena do que fica no passado, porque o que aí vem no futuro é certamente muito melhor!

 

 

Deixo aqui o poster que ando a preparar para a nossa entrada!

o amor é 1 cor.jpg

 

Tradições

o homem deixará o pai e a mãe para se unir à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne"

Mt.19, 5

 

Em cada família que começa nascem pequenas tradições que marcam o ritmo da vida do dia a dia, algumas delas vêm de tempos antigos, mas muitas são adaptadas à nova realidade. Nesta época do Natal ouço com  frequência várias destas tradições: o dia de fazer a Árvore de Natal e o presépio, a ementa do dia de Natal, a troca de prendas, os serões animados, as viagens e muito muito mais. 

 

Se há coisa que pode unir uma família essa coisa é a tradição. "Sempre foi assim" - dizem muitas pessoas.

 

Mas, existe também o outro lado desta moeda, existem tradições que separam as pessoas, ideias fixas que não se adequam à nova realidade das famílias... e a época de celebrar torna-se assim num pesadelo...

 

Parece-me que às vezes existe falta de diálogo. Falta de tolerância. 

 

Aqui em casa, durante anos comemos bacalhau com batatas, depois porque nos apetecia variar resolvemos adaptar estes ingredientes e passamos a comê-los de outra forma... ninguém se chateou por causa disso. Cá em casa passamos sempre a noite do dia 24 em família juntamente com os nossos pais e com a minha irmã.

 

As prendas são trocadas depois do jantar (quando não havia crianças esperávamos pela meia noite), nunca em nenhum ano consegui que abríssemos os presentes no dia 25. Os avós gostam de entregar as prendas às netas e ver a sua reação. Eu podia acabar com isto e fazer prevalecer a minha ideia, mas não o farei. Não tenho coragem de lhes tirar essa alegria!

 

Ora, andei aqui a pensar e decidi que este ano todas as prendas que não são dadas pelos avós e pela minha irmã serão abertas no dia 25.

 

Debaixo da Árvore de Jessé estará uma pista e um chocolate e depois escondo as outras prendas pela casa. De pista em pista vão abrindo assim as prendas no dia de Natal.

 

Não é uma coisa antiga, mas se o fizermos este ano e nos próximos... faremos nascer uma nova tradição que deixa contentes todos lá em casa!

 

20151219_235249.jpg

 

 

 

Todos os anos é a mesma coisa

Bruxas e bruxedos (sem ofensas Mimi), fantasmas e monstros. E todos os anos tenho de ser a mãe chata que não gosta que as filhas brinquem às bruxas... Mas também o que é que eu quero? Se o mundo oferece sempre melhores alternativas do que a família, as minhas filhas tendem a ser do mundo...

 

Pois bem, este ano vamos dar início a uma nova tradição.

 

Vamos festejar a véspera de Todos os Santos e o dia claro! Vou aproveitar a sugestão que vi em dois blogues católicos e as meninas serão princesas e rainhas (o que se pode esperar de filhas de Deus senão isto?) e serão também uma Santa inspiradora. As escolhas são:

 

Margarida: Merida convertida em Rainha Margarida da Escócia (sua padroeira)

 

 

Merida-Margaret.jpg

 

Maria: Rapunzel convertida em Santa Bárbara

Martyrdom-002.jpg

 

Lúcia: A Bela convertida em Rainha Santa Isabel

 

 

bela isabel.png

 

Andei no Pinterest (aquilo é um mundo, obrigada Marisa por me explicares como funciona) e já reuni algumas ideias, este ano vamos fazer tudo muito simples, que andamos também a preparar uma outra grande festa... mas teremos um serão bem recheado de histórias - já que a ideia é conhecer melhor a história destas Santas - e no dia 1 além de irmos à missa, faremos uma festa de chá, com jogos e muitos doces!

 

Deixo a ementa e mais algumas coisas que fiz para a ocasião:

Ementa.docx

Atividades todos os santos.pdf

SaintBingoCallCards.pdf

 

 

 

 Amanhã ou depois mostro fotos!!!

 

20161030_182927.jpg

 

 (Coroas - check)