Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!


Quarta-feira, 14.06.17

O que é "ir de férias"?

Estamos a entrar na época preferida para ir de férias. Por todo o lado já se vêem anúncios com apartamentos, hotéis, e todas essas coisas. Tenho amigos que já marcaram férias e estão desejosos de fazer essa pausa para carregar as baterias, saírem do local onde estão e aproveitarem mais o tempo em família. Até eu este ano falo em férias porque ao que tudo indica os três ou quatro dias que vamos tirar de vez em quando são para nós férias.

 

Mas, férias de quê exatamente, se é preciso cuidarmos uns dos outros? Se é preciso arranjar algumas refeições, manter as coisas minimamente arrumadas... já nem vou falar da pilha de roupa que devo ter para lavar nos dias seguintes!

 

Eu costumava dizer que para mim ir de férias era estar num hotel com tudo incluído e não fazer nada de nada! Ah...que vida boa! Sem horários, sem complicações, sem tarefas... sem a família junta a fazer uns grelhados, sem brigas por causa da falta de espaço na mesa pequena de piquenique, sem corridas pelos campos, sem poder rir e cantar à vontade... sem poder jogar à bola no quarto... jogas às cartas ao ar livre... enfim... se calhar nesta fase da vida ainda não estou preparada para umas férias assim...

 

Se calhar ir de férias é mesmo fazer uma pausa do trabalho, percorrer caminhos que não o mesmo que fazemos todos os dias, beber um café num sítio que não conhecemos, guardar folhas de árvores grandes e pequenos malmequeres espalmados nas folhas de um livro, contar histórias e recordar aventuras de infância, ver o pôr do sol, contar as estrelas que brilham no céu. É ter tempo privilegiado em família.

 

Sem pressas.

 

Sem distrações. 

 

IMG_20170610_144407.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assuntos Importantes:

Quarta-feira, 17.05.17

Sobre o dia da família

O dia 15 de maio é um dia dedicado à família a nível internacional, por cá penso que é assinalado em várias escolas e que alguns municípios aderem à ocasião fazendo algumas atividades em conjunto.

Para mim o dia 15 de maio ainda é o último dia para entregar os ivas. Uma tristeza. Este ano a coisa ia correndo mal, porque em vez de parar com os irs no fim de abril e retomar no dia 16 de maio, andei com eles até ao dia 10 e atrasei-me a valer! Mas, consegui ter tudo pronto no fim de semana e aproveitei a sesta da manhã da Lúcia para enviar as declarações antes de irmos à consulta dos 18 meses e à vacinação.

 

Ficou assim dividida a nossa família neste dia 15. Uma filha em cada escola, os pais e a pequena no centro de saúde à espera de vez. Na verdade só nos juntámos depois das seis da tarde, quando todos chegámos a casa, e mesmo assim, andou cada um para seu lado, banhos, trabalhos de casa, choro, jantar para fazer, roupa para estender e mais uma quanta para apanhar... corrida para aqui, corrida para ali.

 

Chegada a hora de jantar, todos se juntam à mesa, mesmo a Lúcia que janta mais cedo, senta-se connosco e janta mais qualquer coisinha, que é menina de muito alimento! Respiramos fundo entre esta e aquela conversa e rezamos a oração de graças pela comida que temos nessa refeição. Só então o pessoal começa a comer. É um pequeno ritual que nos concentra num mesmo local, que nos acalma e que permite que todos comecem a comer juntos, até a pequena Lúcia sabe que primeiro vem o "Ámen" e só depois pega no seu prato cheio de coisas boas! Depois da refeição é tempo de arrumar a cozinha, dar uma "geral" na tralha espalhada pelo chão e de fazer a oração da noite. Não temos conseguido ler uma história todos os dias como eu queria, mas temos feito um esforço por ler o evangelho e falar um pouco sobre ele.

 

Ser família também é isto, viver cada dia com as dificuldades e as tarefas que nos separam, mas conseguir encontrar um bocadinho de tempo para nos juntarmos!

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assuntos Importantes:

Sexta-feira, 05.05.17

O carisma e o tempo de família

Se alguém perguntar a alguma das nossas filhas do que gostam mais no que a tempo de família diz respeito, de certeza que passeios em família, churrascos e brincadeira estão no top 3 das respostas! E, se estão nos primeiros lugares foi porque ao longo dos últimos anos temos feito um esforço considerável em passarmos mais tempo juntos e que esse tempo seja bom. Não perfeito, mas bom.

 

Pequenas atividades em conjunto, mais dias de passeio, brincar na rua, partilhar refeições simples e deliciosas em que todos colaboram, passar fins de semana fora, ver coisas, admirar a grandeza daquilo que nos rodeia e contemplar a natureza em qualquer estação do ano têm sido dos momentos mais apreciados na nossa família.

 

E, todos estes momentos têm uma coisa em comum que é: família unida. Quer seja em volta de uma mesa, numa manta de piquenique, no quintal, na casa do lago (em Mira), à lareira no inverno, em viagem no carro, estamos todos juntos.

 

Quando faço uma pequena retrospetiva destes momentos e leio aquilo que é esperado alcançar vivendo este carisma das famílias de Caná, parece-me que estamos no caminho certo, não pela quantidade de coisas que fazemos, mas na forma como encaramos a vida familiar e na forma como tentamos ser alegres, simples e generosos - em família e na comunidade.

 

Quanto mais se aproxima a data do compromisso, mais gostava de ir (aos poucos) aprofundando a nossa carta fundacional porque é lá que está a base daquilo que vivemos e com o qual nos vamos comprometer. 

 

Para quem ainda tem dúvidas se pode ou não enquadrar-se nas famílias de Caná, uma vez que já vive com entusiasmo as seis bilhas na sua vida do dia a dia, aqui fica um excerto da carta:

 

Os membros do Movimento comprometem-se a buscar a santidade de acordo com o carisma das Famílias de Caná. Podem contudo encontrar-se em situações diferentes de vida pessoal ou familiar. Pertencem ou podem vir a pertencer ao Movimento:

  • Famílias que, por inteiro – pais e filhos em conjunto – se comprometem a viver de acordo com o carisma proposto. Nem todas estas famílias estão fundadas sobre o sacramento do matrimónio, mas todas precisam de sentir sede deste sacramento. Assim, há no Movimento famílias de divorciados que vivem numa nova união e que correspondem ao perfil traçado pelo Papa Francisco em Amoris laetitia: “Uma segunda união consolidada no tempo, com novos filhos, com fidelidade comprovada, dedicação generosa, compromisso cristão, consciência da irregularidade da sua situação e grande dificuldade para voltar atrás sem sentir, em consciência, que se cairia em novas culpas.” (nº 298) As famílias resultantes de uma união de facto, que não apresentem nenhum impedimento para a receção do sacramento do matrimónio, só poderão ser Famílias de Caná depois do seu matrimónio, pois a união de facto não sugere sede de vida sacramental. No entanto, o Movimento pode e deve acompanhar estas famílias no sentido de provocar nelas a sede de Deus, necessária para que também elas venham a beber do “vinho novo” de Jesus.
  • Famílias em que apenas um dos cônjuges se deseja comprometer, dada a falta ou a imaturidade de fé do outro cônjuge. Recusar a pertença seria agravar a dor do cônjuge crente. Para estas famílias, são sempre atuais as palavras de S. Paulo: “O marido não crente é santificado pela mulher, e a mulher não crente é santificada pelo marido; de outro modo, os vossos filhos seriam impuros, quando na realidade, são santos.” (1Cor 7, 14)
  • Famílias que vivem todo o tipo de situações problemáticas, como mães solteiras, pais cujos filhos abandonaram a fé, e outras, bastando que um dos membros da família se queira comprometer. O Papa Francisco foi movido pelo Espírito Santo a apresentar a Igreja como um “hospital de campanha”: “Essa é a missão da Igreja, que cura e cuida. Algumas vezes, eu falei da Igreja como um hospital de campanha. É verdade: quantas feridas há, quantas feridas! Quanta gente que tem necessidade de que suas feridas sejam curadas! Essa é a missão da Igreja: curar as feridas do coração, abrir portas, libertar e dizer que Deus é bom, que perdoa tudo, que é Pai, é terno e nos espera sempre”. (Homilia de 5-2-15) Esta imagem vem na mesma senda bíblica que apresenta Jerusalém como ruínas que o Senhor tem a alegria de reconstruir: "Ruinas de Jerusalém, irrompei em cânticos de alegria, porque o Senhor consola o seu povo!" (Is 52, 9) "As velhas ruínas serão restauradas, levantarão os antigos escombros, restaurarão as cidades destruídas!" (Is 61, 4) Jesus nasceu na gruta de Belém e transformou-a em lugar sagrado; em Caná, Jesus restaurou a fonte da alegria. Numa belíssima homilia sobre o mistério das Bodas de Caná, o Papa Francisco fez algumas afirmações proféticas, referindo-se precisamente a estas famílias destruídas: “O melhor vinho ainda não chegou para aqueles que hoje veem desmoronar-se tudo. Murmurai isto até acreditá-lo: o melhor vinho ainda não veio. Murmurai-o cada um no seu coração: o melhor vinho ainda não veio. E sussurrai-o aos desesperados ou aos que desistiram do amor: Tende paciência, tende esperança, fazei como Maria, rezai, atuai, abri o coração porque o melhor dos vinhos vai chegar. Deus sempre Se aproxima das periferias de quantos ficaram sem vinho, daqueles que só têm desânimos para beber; Jesus sente-Se inclinado a desperdiçar o melhor dos vinhos com aqueles que, por uma razão ou outra, sentem que já se lhes romperam todas as talhas.” (Homilia de 6- 7-2015)
  • Jovens que encontram no carisma do movimento um caminho de santidade.
  • Leigos consagrados que encontram no mistério de Caná um chamamento para servir as famílias, especialmente as famílias destruídas, segundo o carisma do Movimento.
  • Sacerdotes diocesanos que querem “beber das Seis Bilhas de Caná”. 

 

IMG_20170430_175534_300.jpg

 

(Manhãs solarengas significam roupa ao sol e brinadeira na rua!) 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 10:30

Segunda-feira, 17.04.17

50 dias de festa

Feliz Páscoa a todos!

 

Sim, hoje é o segundo dia desta tão grande festa! Ainda temos muito para festejar! Até ao dia de Pentecostes vamos caminhando agora à Luz de tão belo acontecimento!

 

Cristo, aquele que deu a maior prova de amor dando a vida por mim, por ti, por nós, venceu a morte e vive para sempre! E tudo isto nos foi dado sem termos que dar nada em troca! Não é maravilhoso? Não precisamos de fazer milhões de orações, ir milhares de vezes à missa, fazer grandes penitências para termos a vida eterna! Se o fazemos, é por amor!

 

Nunca seria uma boa troca, afinal eu sou tão pequena e fraca! Mas, mesmo assim, sou amada ao ponto de Deus se ter feito um de nós, vivido como um de nós... e dado a vida, sofrendo mais do que eu algum dia sofrerei... sim eu rezo por gratidão, vou à missa porque me sinto bem visitando o meu Senhor, faço penitência porque quero ser unir a minha dor à de Jesus... e se Lhe ofereço tão pouco... é porque isso é apenas tudo o que tenho... tudo o que sou!

 

Estes últimos dias foram uma excelente oportunidade para viver a Cruz: e  a minha foi pequena, mas custou tanto a carregar! Mas, enquanto o tempo ia passando pequenos sinais de esperança iam dando um novo entusiasmo... na quinta feira, por exemplo recebi a notícia que o GEP adiou o prazo dos RU uma semana... que alegria! Assim não passei estes dias a brigar com um site que não funcionava para cumprir prazos legais... e pude dedicar-me totalmente a viver em casa e em comunidade os grandes momentos do Tríduo Pascal!

 

Na sexta feira, caía já a noite quando percebi que tinha algum tempo livre... como tinha recebido algumas sugestões de atividades pascais, resolvi deitar mãos à obra e no jardim das nossas filhas fizemos um "Jardim da Ressurreição", simples e expectante...

 

IMG_20170414_203944_390.jpg

 

 

Na noite de sábado, porque não temos aqui Vigília Pascal, fizemos como no ano passado, decorámos o canto de oração com flores bem alegres, acendemos as nossas velas do batismo, lemos as leituras da Vígilia e cantámos Aleluia!

IMG_20170416_155110.jpg

 

 

Foram quarenta dias sem cantar Aleluia... ah... como foi bom! Não foi perfeito, tivemos algumas "coisitas" a estragar a festa, mas foi um momento muito bonito (é do treino que tenho feito tentando viver com alegria mesmo quando as coisas não correm bem) depois de a casa estar em silêncio, deitei mão à obra e fui "transformar" o jardim!

 

IMG_20170416_141757_458.jpg

 

Na manhã de Páscoa, as nossas filhas madrugaram!!! Esperava-as a surpresa no jardim e uma outra surpresa na mesa das refeições... e isto era só o que eu andei a esconder durante a quaresma... porque durante todo o dia recebemos mais e mais doces! Até a Lúcia se estreou a comer chocolate, e se ela gostou!!!

 

IMG_20170416_085339_875.jpg

 

Depois de um grande almoço em família, da brincadeira, das conversas, fomos juntos à missa Pascal, a igreja estava linda com tantas flores... o círio novo foi aceso, cânticos alegres, sorrisos no rosto! 

 

Começou a grande festa, tudo porque Deus nos ama a cada um de nós!

 

Sim, foi por nós que Jesus deu a vida!

 

IMG_20170416_141806_108.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 09:07

Segunda-feira, 03.04.17

Recarregar baterias

Sábado passado foi dia de fazer uma pequena pausa nas tarefas para podermos estar presentes no retiro da quaresma em Fátima. Não foi nada fácil encontrar tempo para ir, aliás, só confirmámos a nossa presença na tarde de sexta feira... o que para uma pessoa com a mania de programar tudo como eu é dose!

 

Mas, nem o facto de não ter nada preparado para o almoço partilhado ou para os lanches foram motivos para desanimar! A nossa família precisava deste dia. Desta vez, sem grandes stresses optei por simplificar, nas comidas, nas roupas, nas listas... tive apenas preocupação de levar comida para a Lúcia, bolachas para os lanches e lombo fatiado para o almoço (faço na panela de pressão para ser mais rápido), mais umas batatas fritas de pacote e já está!

 

No dia do retiro todos acordam bem dispostos! Todos se despacham depressa, em poucos minutos levamos tudo para o carro e fazemo-nos à estrada! À entrada de Fátima somos prendados com uns pequenos pingos de chuva, nada que abale a alegria de em breve estarmos com os nossos amigos!

 

Para não variar muito, fomos dos primeiros a chegar!!! E, aos poucos fomos matando as saudades de quem nos é muito querido, mas vive longe!

 

Enquanto a sala se ia compondo com as famílias que chegavam, tivemos oportunidade de ver a linda imagem da Mãe de Caná - em fotografia - e aprender o hino do movimento, até sábado passado considerava que o "hino" fosse "Eu e a minha família serviremos o Senhor", apesar de nunca o ter dito, era um cântico que nos identificava! Mas, este novo hino é tudo! Tudo o que somos, o que vivemos, o que sentimos, o que esperamos! A música do refrão fica no ouvido (digo eu que não percebo nada de música).

 

Quando as nossas queridas educadoras Vera e São chamaram pelas crianças para irem para uma outra sala falar de Jesus, todos foram em fila... incluindo a nossa Lúcia! Eu fiquei a olhar... e aproveitei para entregar a chucha e um iogurte, sem que ela desse conta. E assim, sem eu sequer ter imaginado consegui ficar a escutar o ensinamento sossegadamente (com uma ou outra interrupção para ajudar mais crianças a encontrarem a sua sala).

 

E, tudo isto foi muito mais do que eu alguma vez pedi! Valeu o esforço, o tempo que dedicámos ao retiro, a viagem, a roupa por passar, a cozinha por arrumar, o chão por aspirar, os orçamentos por fazer, o escritório por organizar... valeu cada segundo em que escutei o ensinamento, em que partilhámos uma refeição, em que percorremos a Via Sacra passo a passo, com carrinho, sem carrinho, a dar de comer, a mudar fraldas, em busca de água... cada segundo!

 

Para casa trazemos sempre mais do que levamos, trazemos a mensagem, trazemos uma ou duas frases marcantes, trazemos o coração cheio, a alma tranquila, um sorriso no rosto, o cansaço no corpo, mas também trazemos energia para no domingo conseguirmos receber os avós para o almoço do aniversário da Margarida e para fazer tudo que não fizemos no sábado!

 

Hoje sei que sou uma pessoa muito grata.

A Deus.

A todos os que estiveram lá.

Aos que não foram, mas estiveram connosco em pensamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 27.03.17

Primavera gelada

Quando, há cerca de um mês comecei a planear uma surpresa para toda a família para celebrarmos o aniversário da Margarida procurei no mapa sítios bonitos para se viver um fim de semana primaveril, afinal iríamos nos dias 25 e 26 de março... de todos os locais escolhi a Guarda, marquei pela primeira vez dois quartos partilhados num hotel para podermos descansar sem nos preocuparmos com comidas e ainda dava para irmos ver a serra cheia de flores e de erva verdinha!

 

Mas, Deus surpreendeu-me! Quando na semana passada consultei as previsões do tempo para ver que roupas devia colocar na mala, vi que neste fim de semana ia nevar!

 

E, se foi uma grande alegria quando contámos a novidade, a alegria maior foi mesmo ver a neve que caía sobre o carro enquanto subíamos a serra devagarinho! Pequenos flocos gelados espalhavam o branco por toda a parte! Os ramos, verdes das árvores estavam cobertos com uma fina camada de neve... que bonito!

 

Já fomos muitas vezes à serra, mas esta foi uma experiência única! O trânsito estava cortado por isso descemos rumo à Guarda, por Manteigas e estacionámos na berma num local com bastante neve, não estava muito frio... deu para subir, escorregar, cair, rebolar, fazer um boneco de neve, gritar, rir, tirar fotografias e sentir a neve a cair sobre a cabeça!

 

Ao fim de algum tempo e com a roupa e as botas molhadas e geladas era altura de seguir viagem, a segunda muda de roupa deu muito jeito! 

 

 

IMG_20170325_124949.jpg

 

IMG_20170325_125603.jpg

 

IMG_20170325_125607.jpg

 

IMG_20170325_125725.jpg

 

IMG_20170325_125729.jpg

 

IMG_20170325_130211.jpg

 

Apesar de nos termos divertido muito fico sempre com a sensação que podia ter sido melhor, que aproveitámos pouco. No domingo regressámos cedo a casa, chovia imenso não conseguimos ver nada de jeito da cidade...

 

Ontem à noite, já na minha casa quentinha, revi estes dois dias... e percebi que ainda preciso de descontrair, preciso de não ser tão impaciente, de levar as coisas na desportiva... dei comigo muitas vezes a pensar que nunca mais ia repetir esta "aventura"... a Lúcia não gostou da neve... chorou imenso... e isso enervou-me... e nem o facto de termos ficado num hotel me tranquilizou... não ter de lavar a loiça, nem fazer comida afinal não me fez mais feliz... estou demasiado acostumada às "casinhas" onde ficamos nas outras vezes, ter um micro ondas e poder fazer as refeições à nossa maneira e nas nossas horas deixa-me bem mais tranquila! 

 

Sim, o meu marido tem razão... não tenho estofo para férias chiques em hotéis!!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 10:36

Segunda-feira, 06.03.17

A grande dificuldade

Está em conseguir fazer muita coisa em pouco tempo.

 

O domingo foi em tempos o dia Santo por excelência, dia de descanso. Dia da família, do convívio, dos passeios e piqueniques. 

 

Entretanto, enquanto o mundo avançava nas tecnologias e em modernizar tudo e mais alguma coisa... algo se passou... neste momento, o domingo tem de servir para tudo, porque durante a semana (sábado por vezes também) temos de trabalhar e não damos conta de todos os afazeres...

 

Este foi um fim de semana muito atarefado, era suposto adiantar muito nas limpezas, mas entre o dizer e o fazer vai um quilómetro... trabalhei no sábado de manhã e à ida para casa aproveitei para ir ao supermercado, a ida rende sempre mais quando estou sozinha... tudo à pressa porque, desde há uns tempos, a nossa missa do primeiro domingo do mês passou para o sábado à tarde. Posto isto, como a ida à missa está no topo da lista de prioridades, o dia foi organizado em função dessa hora.

 

O resto da tarde passei a tentar avançar na organização da entrada enquanto a Lúcia fazia a sesta, as manas foram para a avó para estarem com a minha irmã que veio a casa festejar o seu aniversário! A grande surpresa foi que afinal estava sol, uma beleza! 

 

Mas, o domingo acordou chuvoso. O que significa que não dá para brincar lá fora. Enquanto eu ia dando a volta à biblioteca, a Lúcia dava a volta a tudo o que encontrava pela frente... vale a preciosa ajuda das manas p'ra tentam controlar a menina traquina!

 

Enquanto a Lúcia carregava a pilha dormindo a sesta da tarde aproveitámos para fazer a nossa catequese, esta semana decidi seguir o ensinamento mensal das famílias de Caná e falámos sobre a aparição do anjo "relatada" sob a perspetiva da Jacinta, terminámos a fazer um puzzle que nos foi oferecido e que tem a oração do anjo e rezámos o terço.

 

1488921884299851963948.jpg

 

Mais tarde, vendo que tínhamos uma aberta, mandei toda a gente para a rua, a Margarida foi dar uma corrida para fortalecer os músculos e espairecer do estudo que tinha estado a fazer, a Maria levou uma bola para "jogarmos" com a Lúcia, até o pai não resistiu e largou os seus afazeres para vir brincar um bocadinho connosco. Já cansadas e cheias de alegria regressámos a casa, depois de termos ido fazer umas festas nas cadelinhas que a junta de freguesia adotou (porque as largaram na aldeia) e levou para viverem perto da nossa casa.

 

Eram cinco e meia e eu já falava em fazer o jantar, claro que as minhas filhas acham cedíssimo, mas eu tinha grandes planos: aproveitar o forno de lenha aceso e fazer logo mais uma ou duas refeições para me poupar durante a semana - que é como quem diz, para ter tempo de passar o monte de roupa que não consegui fazer no fim de semana!

 

O dia terminou cedo, era precisa descansar de tanta brincadeira, estudo e limpezas. Ao olhar a bancada da cozinha cheia de loiça suja, mesmo sem vontade, lavei tudo.

 

Um pequeno sacrifício que ofereci por uma boa causa!

 

Nesta quaresma vou esforçar-me por devolver ao Senhor o Seu dia, procurando não passar tanto tempo de volta da casa e fazendo mais atividades em família!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 10:56

Quinta-feira, 02.03.17

fevereiro - balanço do mês

Pois bem, fevereiro é um mês curtinho, dei conta disso há catorze anos quando decidimos casar no dia 1 de março. Era fevereiro e de repente já não era. Então e este mês, como correu?

 

Família:

Assinalámos algumas datas especiais, fomos a Tomar reunir a aldeia de Caná, tivemos as férias do carnaval e ainda deu para sair e namorar com direito a ida ao cinema e tudo! Tivemos alguns percalços de viagem no que diz respeito a coisas de saúde, mas está tudo encaminhado.

A Lúcia já diz umas coisas : mamã - paíí - vó e vô - ape (abre) - ia (Maria) - bouo (bolo) - pé e mão - ão (cão) - óó (aurora a gata) -  acá (dá cá) já tem 3 dentes em baixo e dois em cima, já descobriu como se abre a porta da loja e subiu sozinha as escadas para o 1º andar lá de casa (sim eu sei, grade precisa-se)

A Maria está muito bem nas suas aulas de guitarra, diz que faz doer os dedos, coitada! E este ano até já faz aulas de natação!

A Margarida continua empenhada nos estudos e na fotografia, a ver se manda as fotos para concurso dentro do prazo...

 

IMG_20170214_190338.jpg

 

IMG_20170225_145259_579.jpg

 

 

Casa:

Desta vez é que vai ser e estive a planear a minha limpeza/organização da casa em 30 dias que tentarei cumprir durante este mês. O meu marido gostou fundamentalmente da parte de "mandar tralha fora" e dar um ar mais acolhedor à casa e tratou de "virar" a sala de pernas para o ar, agora aquilo está num caos ainda maior, mas pelo menos desmontou parte de um móvel.

Ah, e fiz uns posters muito bonitos também!

 

mudar o mundo.jpg

 

 

 

Trabalho:

Posto isto, este mês não fiz nem metade do que devia ter feito, nas improvisei algumas coisas que me saíram melhor do que o esperado. Fevereiro é um mês que está condicionado até ao dia 15 por causa dos IVAS, este ano ainda se lembraram da validação das faturas no e-fatura pelo que foi uma correria... depois do dia vinte lá consegui reorganizar algumas coisas pendentes.

Na loja andei a fazer uma espécie de reciclagem no expositor e balcão - projeto ainda por terminar...

IMG_20170220_150112.jpg

 

 

 

Escola:

Meio de período escolar significa reunião intercalar... mais do mesmo. Uma turma desmotivada, fraca, mal educados e que não querem avançar. É pena. Mas é o que temos. Houve tempo para ajudar a Maria a fazer o frasco do dia dos namorados, a preparar a apresentação do livro com a Margarida, mais o poema para expor na biblioteca, as fatiotas do carnaval foram patrocinadas pela minha mãe (que é como quem diz reaproveitadas de 1985).

 

 

O blogue:

Tenho tentado escrever diariamente e nem sempre consigo, mas continuamos a receber as ilustres visitas das pessoas mais queridas de todo o sempre, é pequenino, mas recebe sempre bem, claro! 

 

blogue (1).png

 

 Se eu fosse uma blogger sabia como ver quais os textos mais vistos e tinha ainda de expor aqui as parcerias, mas como não sou, fica só o registo do eletrocardiograma, que é como quem diz do gráfico das visualizações e o top das leituras (é isto, certo)?

blog2.png

 

 

 

E foi assim, fevereiro já terminou. Para o fim de março há mais "balanço do mês"

Comprar sacos do lixo, devo precisar deles aos montes!!!

#limpareorganizarem30dias aqui vou eu!

desafio no Instagram 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quinta-feira, 26.01.17

O Ano novo, o tempo comum e a nossa vida

Eu queria escrever um bom texto sobre a vivência do ano litúrgico em família e não estou a conseguir por falta de tempo.

 

IMG_20170107_155220.jpg

 

No fundo gostava de deixar aqui um pequeno registo sobre a forma como temos acompanhado o novo ano (não o 2017, mas o Ano A), sobre as nossas catequeses em família, os tempos de oração e a nossa nova rotina do dia a dia.

 

Assim e de forma bastante resumida tenho procurado retomar o meu plano bíblico (estou no dia 281 de 365), também tenho um bloco de notas para apontar as passagens mais marcantes, como num diário. Temos procurado fazer todos os dias a oração da manhã em casa, mas quase sempre acabamos por fazê-la no carro. Em cada dia, uma de nós - a responsável do dia - enuncia as intenções desse dia, oferecendo assim todo o nosso trabalho, esforço, todas as nossas conquistas, invocamos os santos padroeiros e fazemos a consagração à Mãe de Caná.

 

No regresso a casa rezamos o terço, são cerca de vinte minutos o percurso e quase sempre conseguimos concluir todos os mistérios orientados pela responsável do dia, ao serão cantamos e rezamos o Shemá, agradecemos as várias coisas que recebemos nesse dia e pedimos ao Anjo da Guarda que tome conta de nós.

 

IMG_20170107_155011.jpg

 

Também retomámos as catequeses em família, uma vez que houve mudanças nos horários e temos tido algumas consultas médicas que impossibilitam a ida à catequese. 

 

IMG_20170107_154952.jpg

 

Procurei também dedicar-me às cartas da Palavra Partilhada, e aqui surgiu-me uma grande dificuldade: como as cartas são manuscritas e com o aumento das inscrições não estou a conseguir escrever uma carta por mês para cada pessoa, por isso, dividi em dois grupos e alternadamente vou enviando as cartas sem data marcada, uma coisa é certa: ninguém ficará sem a receber!

 

IMG_20170120_104022_296.jpg

 Ah... rezem por mim, para que não caia no desanimo quando me vejo atrapalhada no meu dia a dia!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Domingo, 25.12.16

Hoje é Natal

 

Alegrai-vos!

 

 

Vela Natal (1).png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 00:01

Sábado, 24.12.16

A um dia do Natal

 

 

 

Haja serenidade, presença, carinho, companhia, alegria... saibamos ver nestes dias o quanto podemos ser melhores durante o ano. Sem hipocrisias, sem brilhos falsos. Saibamos hoje ter esperança. 

 

Hoje quero acima de tudo estar. Ser. Viver. Encantar-me.

 

E dormir a sesta também era boa ideia!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Assuntos Importantes:

por Olívia às 07:18

Quarta-feira, 21.12.16

A quatro dias do Natal

E tanto que já sinto a alegria dos reencontros, das palavras sentidas de boas festas, a alegria das partilhas ainda que simples. De facto o Advento aproxima-se do final. E, para meu espanto, consegui fazer uma preparação interior muito maior do que aquela que alguma vez imaginei no primeiro dia de caminhada.

 

Não existiu nenhuma fórmula mágica, nenhuma grande lista ou conjunto de tarefas obrigatórias. Apenas três coisas:

  • Estar disponível colocando-me ao serviço 
  • Focar-me no essencial desta quadra
  • Voltar a fazer algo diferente e inesperado 

 

Estar disponível hoje em dia é uma coisa praticamente impensável com tanta coisa para fazer... mas procurei não me dispersar com muitas coisas, recolhi-me num silêncio interior e pedi muito a Deus que me dissesse o que fazer. Ele provavelmente já mo tinha dito, mas eu nem dei conta tal era o estado depressivo em que me encontrava... aos poucos fui aceitando o facto de a minha pequena cruz estar um bocado mais pesada e fui tentando carregá-la com alguma entrega. Descobri que existem acontecimentos na vida que nos deixam sem chão, mas que nos fortalecem dia após dia! Assim procurei ocupar bem o meu tempo, desligando as redes sociais o maior número de horas possível e dedicando as minhas horas de almoço às cartas da Palavra Partilhada, que deverão começar a chegar pouco a pouco a vossas casas!

 

Depois de um tempo de organização mental e das minhas coisas lá de casa, precisei de me focar no essencial, fazer uma caminhada em família rumo à celebração do nascimento do Salvador, pouco me importa que Jesus não tenha nascido exatamente neste dia, o mais importante é que Ele nasceu e morreu por mim. Por ti. Por si. Por nós. Mesmo e principalmente pelos que não acreditam. E tem sido assim o nosso caminho: passo a passo, com pequenos gestos, sem grandes euforias. Até já temos as prendas embrulhadas e etiquetadas para partilhar com a família!

 

A última coisa que senti que devia recuperar era "fazer uma coisa inesperada", noutros anos fizemos recolha de presentes para a fundação, houve um ano em que liguei aos amigos na véspera de Natal, um a um, para conversarmos com calma (a possível nesse dia), num ano mandámos uns doces ao tio Zé que está na Escócia e este ano queria fazer qualquer coisa diferente... e assim surgiu a ideia de irmos ao norte no fim de semana passado. Largamos tudo, arranjámos as malas com o mínimo de coisas e fomos visitar parte da nossa família! O fim de semana foi uma maravilha. hei de contar tudo, mas não agora! Tenho trabalho para fazer!!!

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 21.12.16

Tradições

o homem deixará o pai e a mãe para se unir à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne"

Mt.19, 5

 

Em cada família que começa nascem pequenas tradições que marcam o ritmo da vida do dia a dia, algumas delas vêm de tempos antigos, mas muitas são adaptadas à nova realidade. Nesta época do Natal ouço com  frequência várias destas tradições: o dia de fazer a Árvore de Natal e o presépio, a ementa do dia de Natal, a troca de prendas, os serões animados, as viagens e muito muito mais. 

 

Se há coisa que pode unir uma família essa coisa é a tradição. "Sempre foi assim" - dizem muitas pessoas.

 

Mas, existe também o outro lado desta moeda, existem tradições que separam as pessoas, ideias fixas que não se adequam à nova realidade das famílias... e a época de celebrar torna-se assim num pesadelo...

 

Parece-me que às vezes existe falta de diálogo. Falta de tolerância. 

 

Aqui em casa, durante anos comemos bacalhau com batatas, depois porque nos apetecia variar resolvemos adaptar estes ingredientes e passamos a comê-los de outra forma... ninguém se chateou por causa disso. Cá em casa passamos sempre a noite do dia 24 em família juntamente com os nossos pais e com a minha irmã.

 

As prendas são trocadas depois do jantar (quando não havia crianças esperávamos pela meia noite), nunca em nenhum ano consegui que abríssemos os presentes no dia 25. Os avós gostam de entregar as prendas às netas e ver a sua reação. Eu podia acabar com isto e fazer prevalecer a minha ideia, mas não o farei. Não tenho coragem de lhes tirar essa alegria!

 

Ora, andei aqui a pensar e decidi que este ano todas as prendas que não são dadas pelos avós e pela minha irmã serão abertas no dia 25.

 

Debaixo da Árvore de Jessé estará uma pista e um chocolate e depois escondo as outras prendas pela casa. De pista em pista vão abrindo assim as prendas no dia de Natal.

 

Não é uma coisa antiga, mas se o fizermos este ano e nos próximos... faremos nascer uma nova tradição que deixa contentes todos lá em casa!

 

20151219_235249.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 12.12.16

"Tens coisas tão bonitas"

Quando eu era miúda, sempre que a minha mãe fazia as limpezas grandes, ficava maravilhada com as chávenas e os pires bonitos, com os copos de pé alto, tudo era retirado dos armários, limpo e regressava novamente ao seu lugar. Eu adorava brincar ao faz de conta, um dia também teria copos bonitos e faria festas na minha casa... e assim tem sido. Nas festas costumamos colocar as loiças mais bonitas, os copos de pé alto...e agora já não é faz de conta, é mesmo verdade.

 

Cá em casa temos loiças de uso regular, são por norma mais simples e resistentes - e mesmo de vez em quando lá vai um copo - e temos muitas outras coisas guardadas. É uma pena. Eu sou das pessoas que usam tudo o que recebem, nem que seja uma vez. Mas existem coisas que raramente são colocadas "ao serviço" da família.

 

Um dia ouvi o seguinte comentário/questão: se as pessoas cá de casa são as mais queridas, as mais importantes porque é que guardamos as melhores loiças e toalhas para quando vêm pessoas de fora? Não devemos nós mimar acima de tudo os que estão connosco todos os dias e nos aturam as neuras?

 

É tão, mas tão verdade... ontem recordei-me disto enquanto andava para lá e para cá a reorganizar a cozinha - é que ganhei uma nova bancada reciclada e trazida de uma obra que o pai está a fazer - tirei tudo dos armários e limpei para voltar a guardar... a Margarida quando ia vendo as coisas disse: "tens coisas tão bonitas...", mais tarde já depois do jantar a Maria olhava para a bancada e disse com ar sonhador "tens coisas tão bonitas..."

 

Não é "tens" é temos, expliquei eu: as coisas são nossas, da nossa família!

 

As coisas que temos não brilham se não forem usadas pelos que amamos, com os que amamos, são meras coisas que descansam alinhadas nas prateleiras dos armários... as coisas só têm valor quando as partilhamos no dia a dia... e não apenas nos dias de festa ou quando temos visitas...

 

Nesta quadra vamos usar as loiças bonitas, mesmo quando estivermos só os 5!

 

E no ano que vem também.

 

Afinal haverá alguém mais importante do que as pessoas que estão connosco na saúde e na doença, na alegria e na tristeza?

 

IMG_20161211_115644.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sábado, 03.12.16

Atividades & Jogos Consoada

Canções de Natal

 

Poemas Natal

 

Encenação Nascimento de Jesus

 

Bolachinhas caseiras

 

Caça ao Tesouro (é usar a imaginação e criar pistas...)

 

Bingo de Natal

 

Freeprintablechristmasbingogames.png

 

 

 

(post em execução)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Olívia às 07:40


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisa de temas

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930


Frases nossas

«Mais do que um processo judicial ou burocrático adoptar é amar uma criança e torná-la nossa filha»

Fale connosco através de

olivia.adocao@sapo.pt