Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

08
Ago16

Reconstruir


Olívia

Estamos neste momento a reconstruir a nossa relação familiar, durante algum tempo fomos ignorando aquilo que tínhamos como valores fundamentais aqui em casa, fomos deixando de "olhar" para a nossa declaração de missão.

 

Aos poucos fui descurando muitas das coisas que deveriam sempre estar na tal lista de prioridades... uma grande chatice esta lista e não dei conta de que algo se estava a passar aqui em casa, mesmo debaixo do meu nariz.

 

Não é fácil parar e perceber que de tanto querer fazer bem as coisas, estava realmente cega e só aquilo que eu achava importante é que me interessava... fui egoísta e sim, negligente nalgumas coisas.

 

É tempo de repensar e de me colocar novamente na rota. Não abandonarei os vários projetos, mas terei de abdicar de muitas outras coisas.

 

Quero agradecer a todos os comentários, as mensagens e orações, podem parecer-vos pouca coisa, mas dão-me algum alento para não cair no desânimo total.

 

Deus é bom e deu-me amigos e conhecidos para além deste blogue que me estimam e a quem eu muito estimo também.

 

Terei força e coragem agora, nesta grande tribulação. 

 

E a tempestade um dia acalmará, sei que sim.

 

 

 

22
Abr16

E agora?


Olívia

No fim de semana passado comecei a ler a Amoris Laetitia - A alegria do amor - e na nossa catequese familiar dedicámo-nos a ler e interiorizar este pedaço de uma carta muito especial... o tema é o "Amor", palavra pequenina, mas que contém uma imensidão de ações... grande parte das pessoas queixa-se frequentemente que é "contra muitas coisas na igreja", é normal, se formos a ver bem a igreja é feita por pessoas, errantes como eu... no entanto era importante que nos dessem uma pequena oportunidade... de vez em quando...

 

Posto isto, lemos várias vezes e cada uma de nós escreveu-o numa folha para levar para o quarto, um ficou na sala.

 

IMG_20160417_150823.jpg

 (1Cor 13: 4-7)

 

Que bonito que é!

 

 

"O amor é paciente,

O amor é prestável,

Não é invejoso,

Não é arrogante nem é orgulhoso,

Nada faz de inconveniente,

Não procura o seu próprio interesse,

Não se irrita,

Nem guarda ressentimento

Não se alegra com uma injustiça

Mas rejubila com a verdade.

TTudo desculpa

Tudo crê

Tudo espera

Tudo suporta."

 

 

Parece-me a chave da perfeição e o caminho para a felicidade. Se todas as pessoas cá de casa (e não apenas uma) viverem de acordo com ele tudo se torna mais fácil.

 

Ora vamos à prática:

Em primeiro lugar: O amor é paciente, ou seja aceitar pacientemente as limitações, contrariedades... acho que viver assim, umas horas, uns dias, não é assim tão difícil... umas semanas, uns meses, não sei... talvez...uns anos ?!? Como, meu Deus, como?...

 

Na verdade, ao fim de uns dias começamos a falhar... pior, sabemos que estamos a falhar... conseguimos identificar logo no momento em que falhamos... e nem saí da primeira linha, da primeira! 

 

Ora a pergunta que se impõe é: E agora?

 

Vale a pena continuar a tentar mesmo que já sabemos que nunca conseguiremos viver verdadeiramente assim?

 

Provavelmente vale, nem que seja pelo esforço constante em ser melhor a cada dia que passa.

 

Esta "reflexão" embora frquinha de conteúdo ajudou-me a entender que, não importa quantas vezes falho, posso sempre recomeçar.

 

Por isso, hoje, não só irei ser mais paciente, como perdoar uma grande mágoa, que guardo no coração.

 

 

03
Mar16

Mini Culinária III


Olívia

Ah pois é!

 

Estávamos um pouco "paradas" aqui na mini-culinária, mas eis que voltámos ao trabalho. 

 

A partir de agora, todos os domingos o almoço é feito pelas nossas filhas! Eu preciso de ganhar tempo, preciso de fazer muitas coisas que estão em modo "pausa" e é nesse pequeno intervalo de tempo que conto avançar com algumas dessas tarefas (eu sou uma pessoa ambiciosa, está-se mesmo a ver...).

 

Posto isto, e depois de ler isto, invejosa* como sou, resolvi fazer um "menu à la pressa":

 

Para adiantar (e porque a Margarida tinha mais umas tarefas para fazer) fui eu que descasquei os legumes e essas coisas, mas para a semana acaba-se a ajuda! 

 

Aqui fica um pouco da nossa manhã de domingo...

 

20160228_113010.jpg

20160228_113016.jpg

20160228_114412.jpg

 

 

20160228_114508.jpg

20160228_123652.jpg

 

 

E sabem que é quecomeu a sua primeira sopa no domingo?

Pois foi!

A Lúcia!

20160228_121903.jpg

 

 ---

*Invejosa - tema para um próximo post

 

 

01
Mar16

Quem somos


Olívia

Somos uma família católica simples, que gosta de viver no campo, numa pequena aldeia da zona centro do país.

 

Neste momento cá em casa somos cinco, eu sou a mãe Olívia tenho uma retrosaria e também sou contabilista, o pai chama-se Álvaro que trabalha na sua empresa de remodelações de imóveis, a filha mais velha é a Margarida (19), nossa filha desde 2007, depois temos a Maria (8) e a bebé que nasceu no dia 5 de novembro de 2015 e que se chama  Lúcia.

 

casamento.jpg

 imagem blogue amar.jpg

IMG_20151107_174749.jpg

Desde o nascimento da Lúcia que a nossa vida nunca mais foi a mesma, o tempo está agora muito "contado", temos mais trabalho, mais roupa para lavar e passar, mais despesas, mas muito mais alegria em casa!

 

Não há dia que não nos maravilhemos por voltar a ter um bebé em casa. São pequenos sorrisos, "bla-blas", novas descobertas... não foi fácil passar de zero para dois filhos, não foi fácil passar de dois para três filhos, mas a verdade é que o cansaço do fim de cada dia desaparece quando amanhece novamente (quer dizer depois de uma chávena XL de café!

 

Tento vir aqui todos os dias partilhar algum momento da nossa vida familiar, da nossa vida de fé, da nossa vida tal como ela é. Com todas as alegrias e tristezas de uma família normal um pouco diferente de tantas outras!

 

 ----

 

Gostamos muito de passear, gostamos de fazer coisas juntos, gostamos de fazer trabalhos manuais e estamos sempre a aprender, gostamos de ver o pai a fazer voar os seus aviões à escala, gostamos de fazer piqueniques à sombra de grandes árvores!

 

Do quintal, retirámos a relva, depois semeámos e plantámos árvores de fruto e legumes para as nossas refeições!

 

Gostamos de apanhar sol no verão e de estar à lareira no inverno!

 

DSCF0983.JPG

 

Desde o dia 24 de Maio de 2014 tornámo-nos uma Família de Caná, e desde então as nossas rotinas diárias alteraram-se para melhor. Passamos mais tempo juntos, vemos menos televisão, contamos histórias, conversamos, fazemos projetos para o futuro!

 

IMG_20150403_120551.jpg

 

Sempre que possível juntamo-nos a outras famílias em dias de retiro onde trocamos ideias, onde conversamos e onde nos divertimos sempre muito, são assim umas mini-férias e uma forma de carregar as nossas baterias, uma forma de nos irmos mantendo no rumo certo!

 

DSCF5224.JPG

 (As nossas seis bilhas, que nos ajudam na nossa caminhada)

 

Ainda temos muito para viver, muitas lições para aprender, muitas histórias para contar!

 

 

 

 

 

25
Fev16

Encontrado nos rascunhos


Olívia

 Ora como não estamos em época de esbanjar, muito menos esbanjar tempo, encontrei este texto já muito antigo nos rascunhos... estava à espera de uma valente birra da Maria boa oportunidade de o publicar... ao que parece não tem havido birras por aqui... mas não deixa de ser um texto que escrevi num desses fatídicos dias de birra!

 

***---***

 

(Este não é um texto científico, nem pretende criticar ninguém, foi escrito minutos depois do encontro com esse monstro terrível que se chama birra!)

 

 

Não podia deixar passar este tema, que provavelmente é tão conhecido das mães como os bordados são conhecidos das bordadeiras.

 

Sabemos que elas existem, na maior parte das vezes até lidamos bem com elas e através delas conseguimos aprender/ensinar grandes lições, mas há dias em que durante o processo nos "picamos" a sério e a coisa perde o controlo!

 

Bem sei que este meu blogue já foi apelidado de "enjoativo" por causa das flores cor de rosa que havia ali em cima e dos textos escritos com mais sentimento, então depois destes textos aqui fica um texto que mostra que em nossa casa as coisas são como na maioria das casas com crianças e adolescentes...

 

Há dias em que, bem... o tom sobe uns decibéis e a chamada birra faz-se ouvir a cerca de dez quilómetros de distância... e dependendo da menina que a faz ainda tem:

  • lágrimas desmedidas que dão para lavar uma máquina de roupa, ou até mesmo encher um pequeno lago;
  • ou umas "trombas" tão grandes que chegam aos joelhos...

 

A maternidade não é um mar de rosas, muitas vezes para colher estas tão belas flores apanhamos umas valentes picadas nos espinhos, se a coisa perde o controlo eu sou mãe para dar uns gritos valentes, ah e palmadas também, é que há dias que aquela conversa do "escuta o que te digo e pára com isso porque..." nem sequer é ouvida... é certo que depois vem o arrependimento, aquela sensação de tristeza... e o pensamento "bolas para mim, quando é que eu paro de gritar?"

 

Existem cerca de 10.578 técnicas para controlar, evitar e terminar uma birra, psicólogos, pedopsiquiatras, pediatras e outras mais pessoas têm até livros editados sobre o assunto... eu confesso que já fui mais focada em conhecer e experimentar todas as técnicas possíveis, quando não funcionavam dava-me a sensação que o problema era certamente meu.

 

Hoje do alto dos meus oito anos de maternidade, posso dizer que já percebi algumas coisas:

  1. Todas as crianças e adolescentes fazem birras;
  2. As birras são uma forma de chamar a atenção ou de mostrar desagrado;
  3. Existem diferenças entre as birras e a falta de educação;
  4. Na maior parte das vezes se nem ligar, elas acabam por se cansar e esquecem-se até do motivo pelo qual a fizeram...
  5. É preciso muita força de vontade e muita coragem para reconhecer que me descontrolei e que tenho de ser melhor...
  6. Um dia as birras passam...

 

 

25
Jan16

Os Diamantes Não São os Melhores Amigos das Mulheres #1


Olívia

Pois é!

E quem o afirma sou eu, mãe de três, esposa e mulher. Sei que há uma frase feita, que as mulheres tendem a impressionar-se com o brilho e com as jóias, mas para mim existem coisas que realmente são as minhas melhores amigas nesta fase.

 

Ei-las aqui , num especial recém-mamãs:

 

 

Fraldas descartáveis, ah pois e tal ... o ambiente... nós separamos o lixo e tentamos ser amigos do ambiente, mas não dispenso as fraldas... o que seria de mim se, ao chegar a casa, ainda tivesse de lavar uma dúzia de fraldas, estendê-las, passar as que estavam enxutas... oh bem, eu nunca seria capaz! A minha mãe era. Ela é a super-mulher, que bem me recordo de a ver lavar roupa à mão, as fraldas de pano da minha irmã incluídas.

 

1453566085389111248067.jpg

 

 

 

Esterilizador biberões, eu confesso que só conhecia este aparelho de nome, jamais compraria um, isso é coisa de gente fina... mulher do campo como eu ferve as coisas em água e já está! Até ao dia em que uma amiga me emprestou uma nave espacial destas... ai Deus meu, como é que eu me desenrasquei tanto tempo sem uma coisa assim? Não sei, mas agora não sei viver sem ele! Aquilo é leve e até dá para levar para o trabalho, é simples de usar e o melhor é: desliga SOZINHO!

 

1453661236565-2059291336.jpg

 

 

 

Caixa divisórias para leite em pó: outra coisa chique, tão chique que custa uma pipa de massa na tuperware (a ver se me eles me propõem uma parceria, com esta publicidade gratuita), era daquelas coisas que eu nem sabia que existiam... até ver uma mãe a deitar o conteúdo da dita caixa no biberão, sem colheradas à pressa e mal medidas, sem perder um minuto sequer, que nós sabemos bem como é quando chega a hora do bebé comer... e o melhor de tudo é que durante a noite nem preciso de "acordar" é só despejar tudo e já está!

 

1453566155567-1548917451.jpg

 

 

Biberão anticólicas: sim, continuamos nas coisas topo de gama e do mais chique que há! Eu tinha dúvidas, mas uma mãe desesperada com o choro insistente do seu filho está pronta para experimentar tudo o que é novidades, e esta é sem dúvida uma das grandes. Aquilo tem lá dentro um tubo por onde passa o ar e assim não é ingerido pelo bebé, dá mais trabalho a lavar, mas foi daquelas coisas que valeu cada cêntimo!

 

1453565996516-2059291336.jpg

 

 

 

 

O pano, não o da loiça, mas o de trazer os bebés ao colo ao estilo mãos livres! Bem sei que no início tinha a sensação que a qualquer momento a Lúcia ia escorregar e cair-me aos pés, não a largava... aos poucos senti-me mais segura e deixem que aqui escreva, é das melhores coisas que alguém inventou, até chateia de tão simples que é! O melhor é que em dias de chuva posso ir buscar a Maria à escola, levo a Lúcia e o chapéu de chuva!

Não tenho foto do pano, mas a Teresa que mo emprestou tem uma série delas (estava a ver que não achava este post!!!)

 

 

 

E por agora é só!

 

Amanhã há mais!!!

 

 

12
Jan16

Ano Novo, hábitos antigos


Olívia

É nesta altura do ano que vemos listas de objetivos, propósitos e muita vontade de mudar. 

 

É nesta altura que eu quero recuperar os hábitos "antigos" que contribuem para o meu bem estar mental!

 

Em primeiro lugar senti que devia dedicar algum do meu tempo ao meu plano bíblico, como me é difícil encontrar tempo subscrevi um plano na aplicação Youversion do telemóvel... se chegar às 22 horas e ainda não tiver lido o pedacinho do dia recebo um lembrete e antes de dormir leio.

 

7275.jpg

 

Depois tenho vindo a esforçar-çme muito para manter um nível básico de organização e rotinas em casa, desde as horas de levantar, às tarefas passando pela oração familiar...

 

Aproveitei o fim de semana para voltar às listas da "despensa" e do "congelador", ao planeamento dos menus semanais (quero ver se consigo este ano fazê-los mensalmente).

 

Além disso e porque sou uma "croma" vou voltar a apontar todas as minhas despesas numa folha... de excel, ao fim do mês não terei grandes surpresas, pois só o facto de apontar o que gasto me faz ter atenção às despesas!

 

Assim tenho um ficheiro onde coloco os gastos do supermercado, do leite e das fraldas, e este ano, vou ainda retomar o meu mealheiro do 1€ por dia. Corre pelas redes sociais um desafio de poupança que a meu ver é muito irreal especialmente para quem não tem ordenado fixo... depois de me aperceber que se abdicar dos meus 2 cafés por dia: 1,00€ x 30d (média)= 30,00€ consigo por exemplo dinheiro para duas latas de leite de bebé... resolvi arranjar um frasco de vidro que tinha e toca a guardar as moedas!

 

Isto pode parecer muito estranho, mas depois de ter passado uma fase terrível em 2008 quando de repente tivemos duas filhas ao mesmo tempo, sinto que desta vez estou a conseguir organizar as coisas com muito mais facilidade, por isso, mesmo em ano novo retomarei estes e outros hábitos antigos!

 

 

em-casa-1.jpg

 

 

 

 

14
Nov15

Quem é este bebé tão lindo?


Olívia

Dia 11 de novembro, com os documentos, as malas, e muita esperança abandonámos o hospital que nos serviu de "poiso" desde o dia 5. À saída exclamámos um "Graças a Deus, que Deus seja louvado, hoje e sempre"! Ainda nessa manhã durante a viagem para Lisboa escutávamos:

 

«Não foram dez os que ficaram curados? Onde estão os outros nove?
Não se encontrou quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?»

 

Não podíamos deixar de ser como o estrangeiro, o único a dar graças, como podíamos seguir viagem sem sentir o nosso coração a transbordar de gratidão?

 

Muito havia agora para recuperar: as forças, o animo, o tempo em família... o cansaço começava a fazer-se sentir, mas em casa esperavam-nos as nossas duas filhas ansiosas, finalmente pudemos fazer a festa, finalmente pudemos deitar a Lúcia no seu berço que preparámos com tanto amor, finalmente pudemos respirar de alívio.

 

E como é que isso se faz? E difícil respirar assim depois de tantos dias de coração apertado... acho que passados estes dias ainda me é difícil respirar fundo e sentir que tudo já passou.

 

Agora, olho para a minha bebé e pergunto: "Quem és tu meu doce?" 

 

És a bebe que me tiraram a nascença, és a bebé que não me deixaram embalar... e agora estás aqui à espera que cuide de ti, à espera que seja tua mãe finalmente!

 

Observo cada expressão do teu rosto, cada choro, cada sorriso, agora chegou a minha vez, agora finalmente posso tentar conhecer-te, aos poucos saberei o que cada choro me diz... aos poucos reconhecerei cada expressão tua!

 

Aos poucos a nossa família estará recomposta de tanta confusão, aos poucos o medo dará lugar à alegria e o desânimo dará lugar ao entudiasmo!

 

 

IMG_20151113_122643.jpg

 

 

Estarei por aqui, sempre que me seja possível escrever pois tenho muito para contar... terá de ser às prestações, claro, que a Lúcia precisa muito da mãe... e a Maria e a Margarida também... já para não falar do pai, que aguentou forte este barco que andou à deriva durante uns dias... à deriva, mas com o Mestre ao leme... ou teria afundado certamente!

 

 

 

 

 

 

03
Nov15

As Mães e as heranças


Olívia

Quando ouvimos falar das heranças deixadas pelos pais aos seus filhos, o que nos ocorre logo é: casa, dinheiro, peças decorativas, uma jóia... mas serão estas as heranças que mais valor têm para mim? 

 

Não. Não são.

 

Da minha mãe e do meu pai tenho já recebido muitas heranças, daquelas que não se medem, nem se pesam, nem cabem em nenhuma conta bancária. São heranças que me têm sido transmitidas ao longo da vida e sem as quais eu não seria o que sou hoje.

 

No domingo escutávamos na missa "parece-me que nós apenas somos pó e amor, no pó podemos resumir tudo o que está a mais, pois por fim só o amor restará", estas palavras deixaram-me a pensar que realmente o mais importante é mesmo o amor, os gestos de amizade, de solidariedade, de união, de partilha, de serviço.

 

Se não forem os gestos de amor o que tenho eu para deixar às minhas filhas?

 

Hoje cabe-me a mim dar continuidade a tantas "tradições" de família, gestos e formas de viver que também me foram transmitidas pela minha mãe. Foi com ela que aprendi o gosto pelas tarefas da casa, a dedicação à família, a coragem para enfrentar as dificuldades do dia a dia, os valores de uma educação cristã... confesso que nunca serei tão prendada como ela, mas tento dar o meu melhor em cada tarefa!

 

Espero que ao olhar para a família que construí com o meu marido ela sinta orgulho e se reveja nas nossas vivências e nos valores que partilhamos na nossa casa. Temos boas bases na construção da nossa família, queremos que as nossas filhas sintam isso mesmo, é por isso que tentamos investir cada vez mais no tempo em família, fazendo as refeições juntos ao redor da mesma mesa, contando histórias, evangelizando, conversando, aprendendo e ensinando...

 

 Tantas heranças podemos deixar aos nossos filhos... Que o amor à família seja uma delas!

 

 

E hoje estamos em festa, pois a minha mãe completa mais um aniversário!

Vejam como ficou bonito o berço depois do seu trabalho de costura!

 

 

IMG-20151031-WA0000.jpeg

 

 

 

 

27
Out15

Planos para o futuro


Olívia

Uma das coisas boas da vida é que em cada dia podemos manter ou alterar o rumo das nossas vidas. Podemos olhar para o que já vivemos e podemos imaginar como será daqui por dez, vinte ou cinquenta anos...

 

Na semana passada muito se falou do filme "regresso ao futuro", porque ao que parece o "futuro" já passou num certo dia e hora... se eu disser que não vi estes filmes, provavelmente ninguém acredita, mas é a verdade. 

 

Ao ler vários posts sobre esse dia, voltei a recordar-me dos meses em que andávamos a construir a nossa casa e a pensar que um dia, no futuro, iria ver crianças a brincarem no jardim... ou sentadas à lareira... que havíamos de passar os Natais ali juntos em festa...

 

Na verdade esse futuro já chegou! Em cada dia que a nossa família se reúne, em cada brincadeira ou tarefa estou a viver aquilo que sonhei vir a viver, não, estou a viver muito mais do que aquilo que sonhei, estou a viver o que Deus sonhou para mim!

 

Não deixa de ser estranho pensar nisso, ainda no domingo na catequese familiar falávamos dos sonhos que Deus tinha para nós ainda nós nem existíamos, e que ainda tem, nós é que não os conhecemos... podemos imaginar, fazer planos, sonhar, faz parte do ser humano... importante, além de sonhar, é agradecer o presente, o hoje, a vida assim, conforme a vivemos em cada dia! 

 

Na verdade nem eu nem o meu marido jamais imaginávamos o que seria a nossa vida no momento em que dissemos o nosso "sim" na presença de Deus e dos nossos familiares e amigos, nesse dia começámos um projeto a dois, nesse dia abrimos o coração à família, nesse dia também nós continuámos o sonho que Deus tinha traçado para nós... éramos dois miúdos, jovens, muito jovens, com uma grande dose de loucura daquela saudável e muita vontade de viver!

 

 

1445926083558.jpg

 

 

Hoje já não somos dois miúdos, mas ainda somos jovens... oh se somos, e ainda temos muita vontade de viver... e muita da loucura da juventude!!!!

 

 

Quem Escreve

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Aquela Fotografia

O blogue da Margarida

Também escrevo aqui

Bloco de Notas

Baú de Memórias

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D