Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Vivências e coerências

O mais difícil da vida de uma pessoa é ser coerente entre o que diz e o que faz.

Uma das primeiras coisas que me disse a antiga dona da retrosaria é que "com uma porta aberta não se pode ter partido político, clube de futebol, nem religião". Eu percebo porquê, de todas as pessoas que entram numa loja a maioria não pensam como nós, desde o início do Advento já ouvi dizer "adoro o Natal", "o Natal não me diz nada", "tomara que este tempo passe depressa", "a minha casa está linda no Natal", "só fazemos a árvore e é porque os miúdos nos chatearam" e por aí fora.

Eu tenho de atender bem todas as pessoas que por ali passam e até à data parece-me que sempre o fiz convenientemente.

A maior prova disso é que os meus vizinhos da loja em frente são de outra religião (e eu nem sempre soube disso), não festejam o Natal, não dão nem recebem presentes, mas nem por isso deixam de ser simpáticos comigo, conversamos imenso, sei que o senhor é pastor na sua igreja, já ajudei a escolher tecidos para fazer trabalhos para as festividades deles, e isso não me incomoda minimamente. No ano 2009 iniciámos uma tradição lá na rua em que combinámos colocar um pinheiro enfeitado na rua ao lado de cada porta aberta uma vez que a câmara não tinha dinheiro para as iluminações de Natal, alguém me disse para ir falar com os vizinhos e lá fui eu, a filha explicou-me que na religião deles não se festeja o Natal nem se enfeitam as casas, pedi desculpa, envergonhada e triste por ter feito aquela figura, em troca recebi um sorriso e um consolo, eles ficaram felizes por ter lá ido, porque fui sincera de coração apenas querendo "alegrar" a rua sem lhes faltar ao respeito, ficámos então amigos!

Hoje recordei-me deste episódio do Natal pois esta também é uma época de tolerância, para com os que pensam de outro modo, para os que não acreditam em Deus, para os que olham e se alegram com as luzes e as montras enfeitadas, para os que esta época estão sós e por isso ficam tristes só de pensar em jantares de família... enquanto cristã é minha tarefa também ser compreensiva e saber acolher quem por mim passa independentemente da sua forma de pensar!

Este ano para "vincar" um pouco mais a minha realidade quero enfeitar a montra da loja e também o pinheiro com palavras como "esperança", "carinho", "amizade", "alegria", "partilha", "tolerância" espero colocar aqui uma foto para registar o Natal 2014 no meu trabalho!

ArquivoExibir.jpg

 

Iluminada pela alegria do Natal vou hoje fazer a minha lista de pessoas a quem vamos enviar um postal, a quem vamos oferecer uma lembrança... começar a elaborar o livrinho dos cânticos e jogos e escolher o menu do jantar!

 

 

6 comentários

Comentar post