Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Adotar Amar Viver

Somos uma família católica que investe no tempo de família, aprendendo e ensinando, amando e vivendo com simplicidade. Somos o Álvaro e a Olívia, a Margarida, a Maria e a Lúcia!

Voltar atrás no tempo

Andava aqui a pensar as voltas que a vida dá e resolvi registar aqui o grande ponto de viragem na nossa maneira de viver.

 

Estávamos em 2014, mais propriamente em março de 2014. Através de um blogue - Mum's The Boss, fiquei a conhecer o blogue de uma família muito divertida, passei a ser leitora assídua do seu blogue, quem não se lembra do Pais de Quatro?

 

E num dos seus textos, li um comentário que me deixou "com a pulga atrás da orelha", não fui a única pois o JMT responde diretamente a este comentário com um texto... o qual reproduzo aqui uma parte porque um dia o blogue dele vai desaparecer e eu tenho pena de perder esta memória...

 

«A propósito deste meu post, sobre como sair de casa é muitas vezes apenas uma óptima forma de estarmos mais próximos uns dos outros, a Teresa Power deixou o seguinte comentário:

  

"Não é, realmente, preciso ir à Disneylândia - e nos tempos que vivemos, quantos portugueses se podem dar ao luxo de viajar para fora do país? Umas mini-férias de carnaval com seis crianças meio engripadas em casa, a chover lá fora, muitas histórias para contar, muitas batalhas de índios e cowboys para gerir, muitos desenhos para pintar, muitos abraços para dar, misturados com benurons e brufens... Que maravilha!
A noção de cultura também é relativa... Subir à Torre Eiffel não é um acto cultural mais importante do que aprender a distinguir espinafres de agriões - e eu só aprendi esta diferença ao decidir vir viver para o campo, depois de uma vida inteira na cidade, e plantar uma horta no meu quintal! A cultura, afinal, pode estar também no nosso jardim...)"

 

Continuando a falar desta Teresa, diz ele:

 

«Sempre conheci a Teresa Castel-Branco (ainda antes de ser Power) como alguém que vive a sua fé muito profundamente, e as suas convicções religiosas, ao contrário das minhas, nunca vacilaram, mesmo nas alturas mais difíceis (e houve várias, e muito difíceis). Ela tem um blogue onde fala da vivência católica da sua família, chamado precisamente Uma Família Católica. Vale a pena passar por lá.»

 

Estávamos então a dia 10 de Março de 2014 e eu (assim como muitas outras pessoas) resolvi passar pelo referido blogue para ver melhor quem era esta Teresa que tinha dado uma bela resposta ao JMT! Quem não sabe fica a saber que muitas e grandes discussões foram feitas naquelas caixas de comentários... umas mais contidas, outras mais violentas... algumas ainda me deixam triste pela falta de tolerância para com quem quer viver livremente a sua fé.

 

Assim, graças a muita "conversa" debatida naqueles textos muitas vezes provocatórios do JMT eu encontrei um caminho totalmente novo. A passos muito pequenos fui tentando adaptar-me à novidade que era ver alguém que não tinha vergonha de admitir publicamente que era católica e mostrar sem filtros a forma como vivem. Foi um choque!

 

Eu tinha de conhecer melhor estas pessoas, aprender com elas... era importante para mim passar por lá todas as manhãs bem cedo, aposto que era das primeiras leitoras do dia (e ainda sou, mesmo nos dias em que não há nada de novo)! E depois de ler o "relato" de verdadeiras aventuras familiares saía de casa com outro ânimo! Timidamente comecei a comentar... um comentário hoje, outro noutro dia... até ao dia que vi a publicação de um retiro... oh céus, como é que eu ia convencer o meu marido a fazer 200 km para ir a um retiro... eu bem sabia o que era um retiro, mas ele não... comecei por falar desta família com naturalidade, como se os conhecesse e até comentei que ia haver um encontro de famílias... sem saber bem como lá fomos. E a nossa vida mudou!

 

Recordo com alegria tudo o que daí adveio... palavras, sorrisos, abraços, amigos, família. Sim, um comentário sobre agriões fez com que a minha vida mudasse... quem diria?

 

Na verdade não fui a única, bem sei que mais algumas pessoas chegaram às Famílias de Caná por causa de um blogue! Outras ficaram pelo caminho, continuam a ir lá, lêem, comentam, mas não deram o derradeiro passo do compromisso... outras ainda mantêm-se anónimas, umas colaboram outras nem tanto!

 

A blogosfera é realmente um lugar estranho!

 

Fazem-se amizades, criam-se laços, deita-se conversa fora, discute-se o que não tem discussão, mostram-se vivências, escondem-se realidades... quantos milhares de vidas se cruzam? Quantas se transformam completamente porque, num dia de chuva, resolveram arriscar e clicaram num link...

 

familia catolica.png

 

 

3 comentários

Comentar post